Coluna assinada por Joviana Venturini. Para divulgar seu evento ou lançamento religioso basta enviar um texto sobre ele para o nosso email

“Minha mãe me consagrou a Nossa Senhora e hoje estou aí para propagar o milagre de Deus”

O professor Ludson conta que chegou a ser desenganado logo que nasceu, mas sua mãe nunca perdeu a fé

Publicado em 04/04/2020 às 18h06
Atualizado em 04/04/2020 às 18h06
Professor e jornalista, Ludson sabe que é fruto de um milagre
Professor e jornalista, Ludson sabe que é fruto de um milagre. Crédito: Arquivo pessoal

Professor e jornalista, Ludson Gonçalves de Jesus, de 37 anos, teve que passar por cirurgias assim que nasceu. Foi submetido a colostomia e operou os pés. Sua mãe, muito católica, consagrou o filho a Nossa Senhora e o filho foi curado. Veja o relato de fé e esperança que o Ludson conta:

“Não esqueço as palavras de minha mãe contando sobre o meu nascimento. Era pra ser um parto normal, mas segundo ela e os médicos, eu literalmente vim de cara para o mundo. Sempre falo que era para ver se aqui fora era bom, já que no ventre estava bem confortável. Entretanto isso inviabilizou o parto normal e precisou ser feito as pressas por cesárea.

Ludson, ainda bebê, com os pais Orlinda e  José Maria de Jesus
Ludson, ainda bebê, com os pais Orlinda e José Maria de Jesus. Crédito: Arquivo pessoal

Enfim, cheguei ao mundo, com algumas complicações e fiquei em observação. Eu tive que fazer uma cirurgia na barriga - colostomia - e no pé, por encurtamento do tendão Um médico chegou a falar que estava ‘desenganado’. Minha mãe, muito católica, nunca perdeu a fé, ainda no hospital recebeu a visita de uma enfermeira que perguntou como eu estava. Na conversa, a enfermeira pediu para minha mãe me consagrar a Nossa Senhora. Foi o que ela fez, juntamente com uma promessa para Nossa Senhora da Penha.

Ludson, logo após uma das cirurgias
Ludson, logo após uma das cirurgias. Crédito: Arquivo pessoal

Logo depois, em conversa com o médico, perguntou sobre a enfermeira e ele disse que só tinha ele naquele momento. Minha mãe falou que conversou com uma enfermeira e ele disse que isso era efeito da anestesia. Para quem tem fé, a razão é apenas um detalhe.

Passei por cirurgias, algumas dificuldades, mas hoje estou ai para propagar o milagre de Deus na minha vida, pela intercessão de Nossa Senhora da Penha. Louvo e agradeço a Deus pelos pais que tenho e por confiarem na misericórdia divina e, enquanto eu respirar, irei propagar a devoção Mariana.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.