ASSINE
E consultor e palestrante em Inovacao e Estrategia

Brasil poderia exercer poder sobre o mundo se soubesse usar a floresta

Se acabar com o negacionismo e os delírios conspiratórios, poderia criar essa autoridade moral, se efetivamente atuar sobre os problemas existentes

Publicado em 06/09/2019 às 13h22
Atualizado em 08/09/2019 às 04h35
Bandeira do Brasil. Crédito: Pixabay
Bandeira do Brasil. Crédito: Pixabay

O professor de Harvard Joseph Nye propôs o termo “soft power” (ou poder brando), em um livro de 2004, para designar a forma como uma nação impõe sua influência sobre outros países por meios diferentes da coerção, do dinheiro e da supremacia militar — o chamado “hard power”.

> Instituição de um novo poder moderador pode tirar o Brasil do vácuo

Há três maneiras de fazer isso: ameaçá-los com porretes, recompensá-los com cenouras ou atraí-los para que queiram o mesmo que você. Essa terceira opção é o soft power e necessita que o Estado influenciado tenha alguma admiração pelo Estado influenciador. Segundo Nye, há três fontes básicas de soft power: cultura, valores políticos e política externa, vista como legítima e com autoridade moral.

A cultura dos Estados Unidos permite que sua influência seja maior que a força militar, diferentemente dos impérios Romano e Soviético. É fácil perceber a influência de Hollywood, Disney, Netflix, Spotify, Harvard, Stanford, Google, Apple, Microsoft, Amazon e dezenas de outras siglas. Milhares de estudantes estrangeiros estudam nos Estados Unidos e disseminam os valores da cultura americana.

O Brasil não terá durante muitos anos capacidade de influência econômica no mundo e muito menos poder militar. Mas poderia ter alguma influência pela cultura, onde despontam a música e as novelas e séries da Globo retransmitidas em muitos países. Porém, o maior ativo de soft power seria o meio ambiente.

A nossa matriz energética é constituída de 43% de energia renovável, enquanto o mundo usa apenas 14%. Colocamos os biocombustíveis no mercado de forma inédita com o etanol. Temos 12% das florestas do mundo e a Amazônia é um ativo inestimável por concentrar a maior diversidade do planeta. Entendemos tudo de florestas plantadas por causa da produção de celulose.

Existe um entendimento que o Brasil poderia ser um grande líder de soft power nesse tema, que cresce na opinião pública mundial, se despertar o respeito e a admiração de outros países. Se acabar com o negacionismo e os delírios conspiratórios, poderia criar essa autoridade moral, se efetivamente atuar sobre os problemas existentes. Seria um trunfo no apoio às demandas de entrada na OCDE, no Conselho de Segurança da ONU e para acordos de comércio, que estão cada vez mais exigentes no tema sustentabilidade ambiental.

Poderíamos transformar o limão em uma limonada, propondo um grande acordo de cooperação internacional com recursos para rastreamento de madeira ilegal, manejo sustentável e aproveitamento da biodiversidade nas indústrias de alimentos, farmacêutica e de cosméticos. Mas soft power exige firmeza, inteligência, menos barulho e mais diplomacia.

Este vídeo pode te interessar

 

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.