ASSINE
Jornalista de A Gazeta, há mais de 10 anos acompanha a cobertura de Economia. É colunista desde 2018 e traz neste espaço informações e análises sobre a cena econômica

Sem reajuste a servidor público, ES pode economizar até R$ 1 bilhão

Ministério da Economia calcula que congelamento de salários do funcionalismo até 2021 pode representar uma redução bilionária de despesas para o Estado, desde que não haja flexibilização de categorias na aprovação de projeto que trata do tema

Publicado em 13/05/2020 às 05h00
Atualizado em 13/05/2020 às 05h02
Pandemia do coronavírus está desequilibrando as contas públicas
Pandemia do coronavírus está desequilibrando as contas públicas. Crédito: Fernando Zhiminaicela/Pixabay

O projeto de lei que prevê o congelamento do salário de servidores, como contrapartida para o socorro a Estados e municípios no combate à pandemia do coronavírus, pode representar uma economia de R$ 1 bilhão para o cofre público estadual até 2021.

Para que essas despesas sejam enxugadas na casa do bilhão é preciso que o presidente Jair Bolsonaro vete o trecho que flexibiliza o congelamento salarial para algumas categorias do funcionalismo público e o veto seja mantido pelo Congresso. Até agora, pelas declarações do presidente, tudo indica que ele vai seguir a orientação do ministro Paulo Guedes e manter os profissionais sem reajuste por 18 meses, mas a decisão deve encontrar resistência no Parlamento.

A tendência é que deputados e senadores derrubem o veto e deixem de fora do congelamento categorias consideradas "essenciais", como servidores da saúde, da segurança pública e das Forças Armadas; além de policiais federais, rodoviários federais, militares e corpos de bombeiros militares; técnicos peritos criminais; guardas municipais; agentes socioeducativos; profissionais de limpeza urbana; assistentes sociais; e professores.

Se de fato essas categorias ficarem excluídas do congelamento, a economia de R$ 1 bilhão prevista para o Espírito Santo - Executivo e Poderes - será reduzida a R$ 370 milhões, segundo a coluna apurou junto ao Ministério da Economia. Os dados referentes aos municípios não foram divulgados regionalmente. No país, com a flexibilização, a contenção de despesas nas três esferas despenca de R$ 130 bilhões para R$ 43 bilhões.

Para o Espírito Santo, alcançar a redução bilionária de gastos com a folha de pagamento até 2021 pode ser determinante para o equilíbrio das contas públicas, uma vez que as projeções já feitas pela equipe do governador Renato Casagrande (PSB) indicam uma frustração de receitas de R$ 3,4 bilhões só em 2020.

DESIDRATAÇÃO DAS CONTRAPARTIDAS

Entre integrantes da equipe econômica cresce a preocupação com a desidratação das propostas. Afinal, os gastos da União no combate à pandemia e à crise têm sido elevados, mas as contrapartidas tímidas até então.

O diretor da Secretaria Especial de Fazenda do Ministério da Economia, Bruno Funchal, considera que a medida trazida pelo PLP 39 contribui para uma melhor gestão pública entre os entes subnacionais.

Bruno Funchal é diretor da Secretaria Especial de Fazenda do Ministério da Economia
Bruno Funchal é diretor da Secretaria Especial de Fazenda do Ministério da Economia. Crédito: Tati Beling/Assembleia Legislativa

Bruno Funchal

Diretor da Secretaria Especial de Fazenda do Ministério da Economia

"O projeto não apenas auxilia através da transferência de recursos mas também olha a reorganização das despesas, uma vez que contém o crescimento da despesa de pessoal nesse período tão critico para todos nós. É uma pequena contribuição do setor público para o enfrentamento direto da pandemia e permite uma saída da crise em melhores condições fiscais"

Para muitos especialistas, segurar o reajuste é uma medida necessária e uma contribuição que deve ser somada aos esforços que já estão sendo vistos na iniciativa privada. A exceção ficaria em relação aos profissionais da saúde, que têm atuado na linha de frente no combate à Covid-19.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.