ASSINE
Jornalista de A Gazeta, há mais de 10 anos acompanha a cobertura de Economia. É colunista desde 2018 e traz neste espaço informações e análises sobre a cena econômica

Plano de retomada da economia do ES vai ser lançado em novembro

Governo do Estado está em fase final de estruturação do plano que prevê as ações e os investimentos que os setores público e privado vão fazer para impulsionar a recuperação econômica

Publicado em 29/10/2020 às 05h00
Atualizado em 29/10/2020 às 05h02
Obras e investimentos nas áreas de infraestrutura fazem parte do Plano de Retomada da Economia do ES
Obras e investimentos nas áreas de infraestrutura fazem parte do Plano de Retomada da Economia do ES. Crédito: Montagem AG: Fernando Madeira/Codesa/Pixabay

governo do Estado vai lançar em novembro o plano de retomada da economia capixaba. O programa para superar a crise causada pela Covid-19 vem sendo construído desde o início da pandemia e em conjunto com diversas entidades, como a Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), e lideranças dos setores público e privado.

As ações envolvem diferentes segmentos e reúnem uma série de agendas que prometem estimular o crescimento econômico, como obras de infraestrutura, medidas que reduzam a burocracia, programas de incentivo à tecnologia e inovação, além da oferta de linhas de crédito específicas para o processo de recuperação das empresas. 

A reportagem de A Gazeta já chegou a noticiar em junho e em julho algumas diretrizes. Mas embora a ideia do plano já tivesse sido exposta pelo governador Renato Casagrande (PSB) e pelo setor produtivo desde meados do ano, o programa não foi tirado da gaveta até então porque a intenção do governo estadual era priorizar medidas com o foco na saúde. 

Agora, com a doença um pouco mais controlada e com a adoção de protocolos que permitam gradativamente o retorno da sociedade às atividades e à convivência dentro do "novo normal", Casagrande avalia que já é o momento de lançar as ações que poderão ajudar o Estado a gerar mais empregos e renda e a atrair mais investimentos. 

A data de lançamento do programa chegou inclusive a ser motivo de discordância entre os envolvidos no processo. A coluna apurou que, para alguns dos participantes, o documento já deveria ter sido colocado em prática desde o início do segundo semestre para dar mais agilidade ao momento de recuperação da economia. Mas outra ala dos atores que participam da construção do plano avaliava que a divulgação das estratégias poderia soar de maneira negativa, como se a equipe de governo não estive tão preocupada com a saúde e quisesse priorizar a economia.

"Foram colocadas na balança diversas questões. A energia que era preciso dedicar às ações sanitárias, o fator político,  a pressão da opinião pública. Tudo foi avaliado. Existia um receio de apresentar um programa econômico em um momento crítico e isso ser encarado de forma negativa, como se os órgãos públicos e privados não estivessem mais ligando para a doença em si", contou uma fonte que faz parte do time que vem contribuindo para a estruturação do programa.

A necessidade de encontrar saídas para as crises sanitária e econômica é urgente.  Na saúde, os protocolos são essenciais e a vacina é fator determinante para estancar os casos de pessoas contaminadas e o ainda elevado número de mortes em todo o mundo. A economia também requer cuidados especiais. O Espírito Santo precisa reverter o seu quadro de desempregados, já são 253 mil desocupados, e a recessão que enfrenta. O PIB capixaba registra quatro trimestres consecutivos no negativo. Portanto, é fundamental também arrumar um remédio que cure a economia. 

Ninguém quer deixar a saúde em segundo plano, mas de fato já está na hora de buscar soluções econômicas que possam caminhar em conjunto com as soluções sanitárias. Desde que as medidas do plano de retomada não criem situações em que o Estado dê passos para trás no combate à pandemia, elas serão muito bem-vindas e podem fazer com que o Espírito Santo se recupere mais rápido da crise da Covid-19. 

GOVERNO VAI LANÇAR O PROGRAMA GERAR

Como a coluna antecipou no dia 20 de outubro, o governo estadual vai lançar um programa voltado para o segmento de energias renováveis, que será conduzido pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento.

O programa já até foi batizado. Será chamado de Gerar. Ele faz parte das ações que vão constar no plano de reconstrução da economia capixaba, segundo contou o governador Renato Casagrande à coluna.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.