ASSINE
Jornalista de A Gazeta, há mais de 10 anos acompanha a cobertura de Economia. É colunista desde 2018 e traz neste espaço informações e análises sobre a cena econômica

Na Lata: Morar Construtora prevê 3 lançamentos na Grande Vitória em 2021

O empresário Rodrigo Gomes de Almeida conversou com a coluna sobre o mercado imobiliário e os projetos da empresa

Publicado em 25/04/2021 às 02h00
Rodrigo Gomes de Almeida é sócio e presidente da Morar Construtora
Rodrigo Gomes de Almeida é sócio e presidente da Morar Construtora. Crédito: Morar/Divulgação

Com a taxa de juros do país em um dos seus patamares mais baixos da história e com a perspectiva de recuperação da economia, principalmente a partir do segundo semestre, a Morar Construtora se prepara para lançar pelo menos três empreendimentos em 2021. 

A empresa, que está há 40 anos no mercado capixaba, planeja projetos para os municípios de Vila Velha, Serra e Cariacica, esse último receberá pela primeira vez um imóvel da companhia.  O presidente e sócio da construtora, Rodrigo Gomes de Almeida, diz estar muito confiante e afirma que, a depender do comportamento e da demanda do mercado, o número de lançamentos pode vir a ser maior. 

Ele conta que a Morar atende principalmente clientes da classe média, com a comercialização de apartamentos econômicos dentro programa do governo federal Casa Verde e Amarela, que substituiu o Minha Casa, Minha Vida. Os apartamentos são de dois a três quartos e com valores que variam de R$ 150 mil a R$ 250 mil. 

"O Brasil está com taxas de juros baixas quando comparamos com o histórico que o país sempre teve, e o setor imobiliário é muito atrelado a essa taxa. Os juros mais baixos aumentam o poder de compra das pessoas e colocam o dinheiro para circular. Portanto, esse é um fator que impulsiona o nosso mercado. Ainda existe a pandemia e a instabilidade econômica, mas acredito que teremos uma forte recuperação e isso irá se refletir nos imóveis."

A retomada esperada pelo empresário vem acompanhada de um desafio enfrentado pelo setor nos últimos meses: o da falta de insumos. De acordo com Almeida, o atual cenário tem exigido um planejamento ainda maior por parte das empresas. Ele cita que, para manter o cronograma de obras, as encomendas e compras feitas pela construtora estão sendo antecipadas. 

Além do prazo, os custos também ficaram mais altos. Ele observa que o aço é hoje o grande vilão, mas que diversos outros materiais, a exemplo do cimento, concreto e cobre, também tiveram seus preços disparados. Muitos deles influenciados pela alta cotação do dólar.

Rodrigo Gomes de Almeida

Presidente e sócio da Morar Construtora

"Os insumos têm sido o grande dificultador do setor. Porque eles têm elevado o custo de produção e isso prejudica as margens. E na outra ponta a renda das pessoas não subiu na mesma proporção. Então, esse é um desafio para o setor como um todo"

Além dos negócios no Espírito Santo, o empresário diz que a empresa espera crescer no Estado do Rio de Janeiro. Em 2020, a Morar abriu uma filial em Campos dos Goytacazes e a ideia é expandir os projetos por lá. Por enquanto, entretanto, Rodrigo de Almeida não deu detalhes de quantos e quais empreendimentos estão previstos para serem lançados. 

Sobre as mudanças de comportamento do consumidor na pandemia, ele ponderou que é preciso de um pouco mais de tempo para o mercado amadurecer sobre os desejos dos clientes na área imobiliária. Para o empresário, como projetos nesse setor sempre são pensados a médio e longo prazos, existe um desafio sobre o planejamento e a compreensão do que de fato será a demanda do mercado.

"No auge da pandemia, a procura por lotes cresceu muito, assim como por imóveis com opção de espaço para o homeoffice. Mas a gente ainda não sabe dizer se essas são demandas transitórias ou permanentes. No caso do homeoffice, por exemplo, ele veio para ficar, mas não vai ser uma realidade para todos. E aí, como o mercado vai se estabelecer no pós-pandemia, ainda é cedo para dizer. Esse é um desafio para quem faz planejamento na área."

Confira abaixo o bate-papo do Na Lata com o empresário Rodrigo Gomes de Almeida.

Empreendimento da Morar no bairro Camará, na Serra
Empreendimento da Morar no bairro Camará, na Serra . Crédito: Jorge Sagrilo/Morar Divulgação

PERFIL

  • Nome: Rodrigo Gomes de Almeida
  • Empresa: Morar Construtora
  • Cargo na empresa: Presidente e sócio
  • Empresa está no mercado: Há 40 anos
  • Negócio: Construção civil
  • Atuação: No Espírito Santo (Grande Vitória e Colatina) e no Rio de Janeiro (Campos dos Goytacazes)
  • Funcionários: 600

JOGO RÁPIDO COM QUEM FAZ A ECONOMIA GIRAR

Economia:

Estou confiante para uma retomada da economia em 2021. Acredito que o pior momento está ficando para trás e, com a vacinação acontecendo,  a gente vai ter uma evolução e o segundo semestre tende a ser melhor. 

Pandemia do coronavírus:

Momento difícil que estamos passando e que trouxe também muitas reflexões para o nosso dia a dia. Uma delas é valorizarmos mais o essencial e menos o supérfluo. Também trouxe novas visões sobre nossas moradias. As pessoas passaram a ficar mais tempo em casa e a refletir sobre os espaços onde moram.

Pedra no sapato:

A burocracia que traz entraves para o país e o impede de atingir seu real potencial.

Tenho vontade de fechar as portas quando:

A burocracia me derrota. Quando você quer fazer o bem, gerar oportunidades e desenvolvimento, mas a burocracia trava esse objetivo.  Isso é muito frustrante. 

Solto fogos quando:

Entrego os empreendimentos e vejo a alegria e a realização dos clientes. Isso é muito gratificante!

Se pudesse mudar algo no meu setor, mudaria...:

Eu revisaria a tabela de emolumentos cartoriais. As custas de cartório no ES são muito elevadas e penalizam as pessoas com menos renda. Então, eu faria uma atualização de modo que as cobranças fossem mais justas, uma vez que hoje, proporcionalmente, a população de mais baixa renda paga taxas mais elevadas sobre os imóveis do que quem compra empreendimentos de alto padrão. 

Minha empresa precisa evoluir...:

Na digitalização e na adoção de ferramentas que nos ajudem a lidar com a nova forma de nos relacionarmos com os clientes. O avanço nessa área tecnológica já vinha acontecendo, mas a pandemia antecipou essas mudanças em 5 a 10 anos. 

Se começasse um novo negócio seria...:

Na área da construção civil. Sou apaixonado pelo o que faço. 

Futuro:

Será de mudanças rápidas e com uma aplicação intensiva da inteligência artificial. Precisamos estar atentos a essas evoluções e nos adaptarmos a novas formas de viver, trabalhar, divertir e nos relacionar.

Uma pessoa no mundo dos negócios que admiro:

Gostaria de citar duas: meus pais Sebastião e Delva Almeida. Eles vieram de famílias humildes, do interior do Espírito Santo, mas sempre foram muito corajosos, trabalhadores e empreendedores. Com perseverança, venceram muitos dos obstáculos que todos os dias o Brasil impõe a quem quer empreender, e construíram a Morar que já está há 40 anos no mercado.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.