ASSINE
Jornalista de A Gazeta, há mais de 10 anos acompanha a cobertura de Economia. É colunista desde 2018 e traz neste espaço informações e análises sobre a cena econômica

Itapuã transforma lojas físicas em centros de distribuição

Além do atendimento direto ao cliente, unidades passam a ter papel importante nas vendas pelo e-commerce, modalidade que a empresa de calçados lançou em novembro

Publicado em 31/12/2020 às 05h00
Atualizado em 31/12/2020 às 05h00
Itapuã Calçados vai utilizar lojas físicas como centros de distribuição
Itapuã Calçados vai utilizar lojas físicas como centros de distribuição . Crédito: Jomar Bragança/Divulgação

A empresa capixaba Itapuã passou recentemente por uma grande reformulação e começou a atuar no e-commerce, com a venda de calçados para todo o Brasil. Com o novo modelo de negócio, a companhia transformou suas lojas físicas também em centros de distribuição.

A estratégia tem sido uma tendência nos últimos anos entre varejistas, mas ganhou fôlego em 2020 diante da pandemia do novo coronavírus, período em que a demanda pelas compras virtuais cresceu de forma expressiva e a movimentação de clientes nas unidades caiu em função das restrições sanitárias.

Companhias como Magazine Luiza, Vivara e Via Varejo, dona das marcas Casas Bahia e Ponto Frio, também têm tirado vantagens do uso de suas lojas físicas como mini centros de distribuição.

No caso da tradicional marca capixaba de calçados, ela vai contar com o apoio das suas 77 lojas físicas espalhadas pelo Espírito Santo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Thiago Cardeal

Thiago Cardeal

Diretor de Negócios da Itapuã

"Os processos logísticos atuais estão voltados para que cada uma das lojas seja um centro de distribuição com a integração total dos estoques, barateando os custos com frete"

Além de um frete mais baixo, especialistas destacam que o tempo de entrega nesse modelo de negócio tende a ser menor, o que passa a ser um diferencial na conversão de vendas. Mas ressaltam que, para a estratégia ser bem-sucedida, é preciso que os processos e as ferramentas utilizadas pelas empresas trabalhem de forma muito integrada e a gestão dos estoques seja eficiente.

INVESTIMENTO FUTURO

Mesmo com a opção pelo envio das mercadorias para os clientes a partir das lojas físicas, a Itapuã não descarta investir em um centro de distribuição. Questionado pela coluna se há planos para esse tipo de investimento,  o diretor de Negócios da Itapuã, Thiago Cardeal, afirmou que tudo vai depender da resposta do mercado.

“Caso o volume cresça muito para além das regiões onde atuamos fisicamente, uma operação com localização estratégica não está descartada”, frisou o executivo. 

APOSTA NO CARTÃO PRÓPRIO

Com as mudanças no modelo de negócio, a Itapuã aposta na expansão da venda por meio do cartão próprio. Atualmente, nas lojas físicas, eles representam 32% das operações.

“Há um grande contingente de consumidores que não podem e não querem ter um cartão de crédito. Por isso, os cartões próprios das lojas assumem um papel importante na economia e no acesso ao consumo das pessoas”, avalia Thiago Cardeal, diretor de Negócios da Itapuã, ao comentar que já nos primeiros dias de operação do e-commerce, as vendas com cartão próprio Itapuã representaram 50% do total.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.