ASSINE
É pós-doutor em Ciência Política pela The London School of Economics and Political Science. Neste espaço, aos sábados, traz reflexões sobre a política e a economia e aponta os possíveis caminhos para avanços possíveis nessas áreas

O bairrismo ainda é motivo para o isolamento político de Vila Velha

As eleições municipais vêm aí. Ao lado da questão do isolamento e das carências crônicas, um traço cultural ainda é marcante no município, principalmente na orla: o bairrismo. Vila Velha tem resistência a atores políticos não locais

Publicado em 27/06/2020 às 05h00
Atualizado em 27/06/2020 às 05h01
Data: 22/01/2020 - ES - Vila Velha - Prefeitura Municipal de Vila Velha  Editoria: Cidades - Foto: Ricardo Medeiros - GZ
Prefeitura Municipal de Vila Velha. Crédito: Ricardo Medeiros

Vila Velha ainda vive as consequências políticas, econômicas e sociais de recorrentes períodos de isolamento político. Tem ainda sérias carências nas áreas de saneamento e macrodrenagem, mobilidade urbana e segurança. Com baixa capacidade de arrecadação, dada a sua função ainda marcante de “cidade-dormitório”, o governo local ainda depende muito de investimentos estaduais e federais para lidar com seus problemas crônicos de alagamento, e com os seus “novos” problemas de mobilidade e segurança.

A antiga cidade-dormitório de Vitória, moradia e vivência tranquila dos chamados “canelas-verdes”, como eram chamados os seus habitantes, é palco de problemas e desafios. Nela, convivem, sem se dissolverem na síntese, as contradições da “cidade real” – a orla e os bairros nobres – e da “não cidade” – a cidade oculta da Região da Grande Terra Vermelha. Com problemas de inclusão social.

As eleições municipais vêm aí. Ao lado da questão do isolamento e das carências crônicas, um traço cultural ainda é marcante no município, principalmente na orla: o bairrismo. Vila Velha tem resistência a atores políticos não locais. Neucimar Fraga é uma exceção que confirma a regra – um baiano que deu certo. Max Filho, herdeiro de uma dinastia política, também confirma a regra. Agora, estará na cédula eleitoral pela quinta vez, desde 1992, quando fez a sua estreia e perdeu para Vasco Alves, um político de grande popularidade na época.

Hoje, o mercado político enxerga cinco pré-candidaturas potenciais como competitivas. Max Filho (PSDB) tem as vantagens de poder incumbente e de recall, mas tem contra ele o vento sul da rejeição e da fadiga de material. Ele teria perdido a orla. Arnaldinho Borgo (Podemos) tem crescido no papel de “anti-Max” - e pode captar votos da vontade de alternância que está presente. Hércules Silveira (MDB) e Neucimar Fraga (PSD) passam a imagem da experiência, tida hoje como trunfo eleitoral na cidade. Não parece haver espaço para “outsiders”. Especula-se que os dois poderiam atuar em aliança.

O Cel. Wagner Borges (que conversa com o Avante) pode surgir competitivo – hoje a direita representaria quase 1/3 do eleitorado. A esquerda diminuiu de tamanho na cidade. E a centro esquerda poderá ter dificuldade. Uma candidatura com perfil de centro direita tem espaço para crescer. Se tiver experiência vai valer muito: 45% dos eleitores indicam vontade de alternância com melhoria na gestão.

Diz um observador da cena política local que lá “a cadeira de prefeito queima a imagem muito rapidamente”. Os problemas da cidade são os mesmos e são estruturais. Não se resolvem sem apoio “externo” (do Estado e da União) e sem parcerias público-privadas. Como transformar uma candidatura competitiva em perspectiva de mudança e melhorias? Este parece ser enigma a ser decifrado pelos pré-candidatos.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.