ASSINE
É jornalista e escritora, com passagens pelos jornais A Gazeta e Folha de São Paulo e pelas revistas Bravo! e Vida Simples. Autora dos livros Todo Sentimento e Quase um Segundo, escreve aos domingos sobre assuntos ligados à diversidade, comunicação e cultura

A verdade de Marília Mendonça uniu o Brasil

A artista mais ouvida do país nos últimos dois anos iluminou temas fundamentais para a caminhada das mulheres por igualdade

Publicado em 14/11/2021 às 02h00
Data: 26/10/2016 - Marília Mendonça é uma das atrações do Festeja ES 2016 - Editoria: Caderno Dois - Foto:  - Jornal A Gazeta
Marília Mendonça rompeu com o olhar unilateral e chegou nos cantões de um Brasil acostumado a ver e ouvir os homens fazendo o que bem entendessem, mas as mulheres não. Crédito: Flaney Gonzallez/Divulgação

A partida trágica e precoce de Marília Mendonça nos chocou por muitos motivos. Pela forma, pela imagem de horas antes nas redes sociais, pelo contexto, pelo tanto que ainda haveria, pelos detalhes de uma história inúmeras vezes recontada nos últimos dias.

E tem uma coisa que não me sai da cabeça, por distante que fosse minha ligação com a sua música: uma frase que a ouvi dizer, certa vez: "A minha pretensão não é ser famosa, e, sim, passar a minha verdade. Porque sempre me falaram que minha verdade era ruim e que eu teria que mascarar o que eu sou para não assustar o povo. Porque eu bebo, eu como, eu falo demais".

Marília Mendonça foi desrespeitada em uma, em duas, em muitas ocasiões, inclusive em alguns textos a respeito da sua morte. Por causa do peso. Pelos temas que cantava. Por ousar ser protagonista em um ambiente predominantemente masculino e machista. Por exaltar comportamentos que os conservadores donos da vida alheia julgam inadequados para uma mulher.

Por - palavras dela - comer, beber, falar demais.

“Me desrespeitam desde quando me entendo por Marília Mendonça, gorda, feia, mal vestida, mal cuidada”, ela escreveu, numa postagem de janeiro deste ano.

O desrespeito a que ela se referia se parece com o que centenas de outras mulheres sentem na pele, todos os dias. Mesmo não sendo oficialmente feminista e até recusando o rótulo, a artista mais ouvida do país nos últimos dois anos iluminou temas fundamentais para a caminhada das mulheres por igualdade.

Marília Mendonça cantou a relação de uma mulher com um homem, não o contrário, e a ordem dos fatores, neste caso, altera e muito o produto. Ela rompeu com o olhar unilateral e chegou nos cantões de um Brasil acostumado a ver e ouvir os homens fazendo o que bem entendessem, mas as mulheres não.

A verdade de Marília Mendonça uniu o país, ultimamente tomado por opostos perigosos e radicalismos de extremo mau gosto. Não deixa de ser um grande feito, para além da tristeza de sua partida trágica e precoce.

A Gazeta integra o

Saiba mais
mulher Música Marília Mendonça Acidente aéreo Sertanejo Empoderamento feminino Feminismo

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.