ASSINE

Lula não descarta aliança do PT com sigla de centro contra Bolsonaro

O ex-presidente ressalta que o Partido dos Trabalhadores vai construir entendimento com setores da esquerda, mas admite outras articulações contra atual governo

Publicado em 01/04/2021 às 21h09
Atualizado em 01/04/2021 às 21h09
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é entrevistado pelo jornalista Reinaldo Azevedo
O jornalista Reinaldo Azevedo entrevistou o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva para um programa de rádio. Crédito: Reprodução/You Tube

Em entrevista na noite desta quinta-feira (1º), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deixou aberta a possibilidade de o PT buscar alianças com setores de centro para a eleição de 2022 e criticou outros presidenciáveis que publicaram na quarta (31) um manifesto em defesa da democracia.

"O PT é um partido grande. Vamos construir alianças com setores de esquerda. Se for preciso alianças com o centro, vamos tentar", afirmou, em entrevista ao jornalista Reinaldo Azevedo.

"Aprovo qualquer manifesto que defenda a democracia. Mas todos eles tiveram a chance de deixar a democracia garantida e votar no Haddad (na eleição de 2018). Mas preferiram votar em Bolsonaro", disse o ex-presidente. "O Ciro foi pra Paris", afirmou Lula.

O petista conversou por uma hora e 20 minutos com Azevedo no programa de rádio "É da Coisa", da BandNews. Ainda sobre o "Manifesto pela Consciência Democrática", Lula lançou outra provocação que levou Azevedo aos risos. "Tome muito cuidado com isso, quando tenta pescar em terra seca, não tem peixe. Num país deste tamanho, você não inventa candidato. Quando inventa, o resultado é nefasto."

O documento gerou críticas em setores de esquerda pela oposição que representa à candidatura de Lula em 2022. Para os presidenciáveis, a participação do petista representaria uma repetição da polarização do pleito anterior, com a disputa de dois políticos tidos por eles como populistas e extremistas.

ELEIÇÕES 2022

Sobre a eleição presidencial do próximo ano, Lula disse que não necessariamente precisa ser candidato, embora esta hipótese não seja considerada nem no PT, nem no meio político em geral.

"Neste ano de 2021 não quero discutir 2022. Este ano é ano de todos nós que temos responsabilidade fazermos um esforço para que este país tenha vacina para todo mundo, que é a única garantia que vamos ter. Precisamos ter auxílio emergencial pro trabalhador poder ficar em casa e comer. Precisamos de auxílio pro microempreendedor poder continuar existindo."

Ao longo da conversa, Lula disparou críticas contundentes ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), a quem chamou de "genocida" na condução do país na pandemia.

Luiz Inácio Lula da Silva

Ex-presidente da República

"Espero que o Bolsonaro esteja assistindo essa entrevista. Porque queria mandar um recado pra ele: Deixe de ser ignorante, presidente. Quando tiver vacina pra todo mundo, aí todo mundo vai querer voltar a trabalhar. E o país vai crescer"

Na atual conjuntura, disse, não há solução para o Brasil. "Qual é a confiança que Bolsonaro passa ao povo brasileiro? Que confiança Guedes passa? Essa gente não fala em povo e em política social. o Guedes precisa dizer como o Estado vai fazer investimento."

Lula completou que Bolsonaro deveria parar de falar apenas com seus milicianos e passar a se dirigir, com responsabilidade, aos 200 milhões de brasileiros.

Em grande parte da conversa, Lula também criticou as ações da Lava Jato que levaram a sua prisão em 2018. Condenado em segunda instância, foi enquadrado na Lei da Ficha Limpa e impedido de disputar as últimas eleições presidenciais.

Mês passado, contudo, decisões do Supremo Tribunal Federal (STF), como a de que o ex-juiz Sergio Moro não foi imparcial na condução do processo do triplex no Guarujá, devolveram ao petista a chance de se candidatar.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.