Em visita a Pernambuco, Bolsonaro silencia sobre prisão de deputado aliado

Durante evento para inauguração de uma obra hídrica em Pernambuco, Bolsonaro foi questionado duas vezes pela reportagem. Nas duas oportunidades preferiu ficar calado

Publicado em 19/02/2021 às 17h04
Atualizado em 19/02/2021 às 17h04
O ministro da Casa Civil, Braga Netto, e o presidente Jair Bolsonaro durante pronunciamento sobre pressão dos combustí­veis e a polí­tica de reajustes adotada pela Petrobras.
O ministro da Casa Civil, Braga Netto, e o presidente Jair Bolsonaro durante pronunciamento sobre pressão dos combustí­veis e a polí­tica de reajustes adotada pela Petrobras. Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

presidente Jair Bolsonaro (sem partido) se calou nesta sexta-feira (19) ao ser questionado sobre a prisão em flagrante do deputado bolsonarista Daniel Silveira (PSL-RJ).

Durante evento para inauguração de uma obra hídrica em Pernambuco, Bolsonaro foi questionado duas vezes pela reportagem. Nas duas oportunidades, apenas escutou a pergunta e preferiu ficar calado.

Daniel Silveira está preso desde a noite de terça-feira (16), por ordem do ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito das fake news no Supremo Tribunal Federal, após divulgar um vídeo com ataques verbais e ameaças a ministros da corte.

Silveira é alvo de dois inquéritos na corte -um apura atos antidemocráticos e o outro, fake news. Moraes é relator de ambos os casos, e a ordem de prisão contra o deputado bolsonarista foi expedida na investigação sobre notícias falsas. ​

Em audiência de custódia realizada nesta quinta-feira (18), o juiz Aírton Vieira, que atua em auxílio ao ministro Moraes, manteve a prisão em flagrante do parlamentar.

A votação para analisar a prisão deve ser realizada pela Câmara dos Deputados nesta sexta-feira (19), às 17h. O centrão avalia não derrubar a decisão do STF. O vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), defendeu punição exemplar para o colega, com suspensão ou cassação de mandato.

Em pronunciamento neste sexta, o presidente fez uma sinalização ao parlamento brasileiro. "Hoje, temos um Parlamento independente e consciente da força que tem. Esse Parlamento pode fazer muito e fará muito mais ao lado do presidente", disse.

Bolsonaro ressaltou que não pode fazer nada sem a ajuda dos deputados e senadores. "O presidente sozinho não pode fazer nada. Junto com o parlamento, podemos fazer muito."

Bolsonaro pousou no aeroporto de Campina Grande (PB) por volta das 10h15. De lá, embarcou no helicóptero da Presidência da República e foi até Sertânia.

Sem máscara, cumprimentou apoiadores. Foi recebido por um trio de forró. O ministro do Turismo, Gilson Machado, tocou sanfona. O presidente retornou a Brasília às 11h50.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.