ASSINE

Micromobilidade mostra-se como a revolução na forma de se locomover

Precisamos decidir como queremos nossas cidades no futuro e redesenhá-las para receber as opções tecnológicas que chegam

Publicado em 10/09/2019 às 16h30

Duas pessoas foram flagradas usando um único patinete ao mesmo tempo em Vitória

Fernando Repinaldo*

Os principais problemas da mobilidade nas cidades continuam os mesmos: congestionamentos, conflitos entre modos de transportes e redução na segurança para usuários destes sistemas, aumento de acidentes de trânsito e nos níveis de poluição em geral. São impactos que causam a queda na qualidade de vida citadina.

Por lei, a cada dez anos, municípios estabelecem ou revisam seus planos diretores urbanos, estabelecendo regras que impactam o progresso da urbe e criando legislações que visam as estratégias de crescimento e desenvolvimento urbanos. É comum apresentarem táticas um tanto quanto vagas e, às vezes, até conflitantes.

Estão sempre buscando objetivos de desenvolver e projetar a cidade, sem, contudo, quantificar nem estabelecer prazos para cumprimento das suas metas. Regras são criadas a torto e a direito, porém, não aferindo seus desempenhos e impactos ao longo do tempo. Ora bolas, só gerimos o que medimos, fora isso é apenas futurologia.

Não sei até quando, mas planejadores, relatores do PDU, prefeitura e vereadores que criam e aprovam as leis, não são responsabilizados pelos resultados de fato. Deu errado, a culpa e a conta são do povo. Decerto o sucesso só virá com a melhoria dos indicadores medidos no mundo real, e não da aprovação de leis que podem, inclusive, gerar resultados negativos para a cidade.

Pois bem, tratemos de um fenômeno que vem tomando conta das cidades: o da micromobilidade! Bicicletas, e-bikes, scooters e patinetes elétricos fazem parte desta perspectiva de movimento.

Sabemos que cerca de 60% dos deslocamentos em todo o mundo são inferiores a oito quilômetros. Não à toa que uma revolução mundial vem acontecendo na forma de se locomover, prometendo não apenas otimizar o tempo no trânsito, mas também mudar a maneira de se relacionar com a cidade.

A micromobilidade oferece soluções para pequenas distâncias. Serve para trajetos entre bairros e para percorrer distâncias curtas, muitas vezes até o local de transporte mais próximo, normalmente o primeiro ou o último quilômetro de um trajeto.

Nela, os veículos usados são de tamanho e potência adequados para essa finalidade e não-poluentes. São equipamentos que não ocupam espaço excedente ao necessário para conduzir uma pessoa e se adequam ao espaço público, desde que bem arquitetado, sem traumatizar os demais meios e os cidadãos, inclusive com estacionamento.

Novas plataformas de mobilidade criam desafios, exigem educação e vontade de inovar. Entendamos que para onde estamos indo é sempre diferente de que como queremos chegar lá, senão vira bagunça. O que observamos é a falta de fiscalização, além de insegurança para os usuários quanto à qualidade das calçadas e dos asfaltos, oferta restrita de ciclovias e falta de estacionamentos, induzindo a se largar os equipamentos em qualquer lugar.

Precisamos decidir como queremos nossas cidades no futuro e redesenhá-las para receber as opções tecnológicas que estão chegando. Se nada for feito, nossos sonhos podem virar pesadelos.

*O autor é especialista em Administração Pública, Gestão de Projetos e Engenharia de Tráfego

 

A Gazeta integra o

Saiba mais
mobilidade tecnologia veículos

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.