ASSINE
Autor(a) Convidado(a)

Mesmo na internet, a propaganda eleitoral deve respeitar a democracia

A propaganda eleitoral na internet não pode provocar um desequilíbrio na disputa eleitoral. E a liberdade de expressão não permite a disseminação de fake news

Publicado em 27/09/2020 às 05h00
Atualizado em 27/09/2020 às 05h02
As mulheres podem denunciar as agressões sofridas à Defensoria Pública por meio do celular
Propaganda eleitoral pode ser feita nas redes sociais, desde que respeitando as regras e não compartilhando fake news. Crédito: Divulgação/Defensoria Pública

Vivemos na sociedade da informação, na qual o desenvolvimento tecnológico reestruturou as relações sociais e propiciou a formação de um espaço público virtual. É inevitável, portanto, a crescente migração das campanhas eleitorais para o ambiente digital, especialmente em relação à propaganda eleitoral durante a pandemia de Covid-19, em que a proximidade física deve ser evitada.

A propaganda eleitoral tem a finalidade de propagar o nome de um candidato a cargo eletivo com o objetivo de dar exposição à candidatura, conquistar o eleitorado e angariar votos. Mas a liberdade de expressão não permite a disseminação de fake news, e é preciso ter muito cuidado com os diferentes tipos de distúrbios de informação, cuja distinção é muito sutil: compartilhar informação falsa sem intenção de causar danos, compartilhar informação falsa intencionalmente a fim de prejudicar alguém e compartilhar informações genuínas, mas que deveriam ficar restritas a esferas privadas, com o intuito de provocar danos.

Não é proibido criticar respeitosamente esse ou aquele candidato em um grupo de amigos no WhatsApp ou no Telegram, mas é proibida a chamada propaganda eleitoral negativa, em que há um comportamento abusivo. É vedado o uso de robôs e outros artifícios que realizam o disparo em massa de conteúdos de forma incompatível com a atividade humana, o que caracterizaria um comportamento inautêntico.

A legislação permite a propaganda eleitoral em redes sociais assim como o impulsionamento de conteúdo em meio digital, desde que o impulsionamento seja contratado diretamente dos provedores, como Twitter e Facebook. Da mesma forma, é possível adquirir posições de destaque em sites de buscas, como o Google, e através de anúncios. Mas a propaganda paga deve ser assim identificada, para ciência do eleitor, e a Justiça Eleitoral deve ser informada sobre valores gastos.

A propaganda eleitoral na internet não pode provocar um desequilíbrio na disputa eleitoral. Tanto nos moldes tradicionais como na internet, a propaganda eleitoral deve respeitar a democracia, a igualdade entre os candidatos, a verdade dos fatos, a livre circulação de informações e ideias, e a autonomia da vontade do eleitor.

*O autor é professor da FDV e doutor em Direito do Estado (PUC/SP)

A Gazeta integra o

Saiba mais
Redes Sociais Eleições 2020 Democracia Política

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.