ASSINE

Jerônimo Monteiro, o governador que conectou o ES ao futuro

"Advogado, leu com perfeição as questões políticas de seu tempo. Era um homem de ação. E política é ação", escreve João Gualberto sobre biografia do político capixaba

Publicado em 27/03/2018 às 17h26
Atualizado em 07/11/2019 às 23h58

A primeira república no Espírito Santo deixou um saldo de progresso. Foi capaz de vencer o que nossos estudiosos do passado chamavam de marasmo. É no contexto da modernização republicana – esta por sua vez imersa no imaginário do coronelismo – que temos que entender uma personalidade política da envergadura de um Jerônimo Monteiro.

Jerônimo Monteiro, ao centro, em reunião com assessores e políticos em 1910. Crédito: Reprodução do livro
Jerônimo Monteiro, ao centro, em reunião com assessores e políticos em 1910. Crédito: Reprodução do livro

Advogado, formado em São Paulo, teve educação esmerada e leu com perfeição as questões políticas de seu tempo. Era um homem de ação. E política é ação. Liderou, entre outros, o processo de construção de uma outra Vitória. Entre suas obras estão a criação da prefeitura da capital e do Serviço de Melhoramentos de Vitória, órgão do governo estadual. Através deles mudou a face da cidade. Modernidades como a luz elétrica, o esgotamento sanitário, os bondes elétricos, os novos cemitérios, a água encanada e tantos outros foram obras de seu governo na cidade. Um grande modernizador, sem dúvida.

O conjunto arquitetônico de Vitória, tímido até então, foi enriquecido com edificações como a transformação de antigo colégio jesuíta e da Igreja de São Thiago no moderno Palácio Anchieta, de inspiração arquitetônica eclética, como os que estavam em voga a partir do exemplo parisiense, a cidade que inspirava o mundo na época. A nova sede do Congresso Legislativo, localizada em frente ao Palácio Anchieta, tinha o mesmo estilo sofisticado. As importantes obras no porto de Vitória que ele deu andamento ou a criação de um polo industrial em Cachoeiro de Itapemirim, sua terra natal, são mostras de sua visão de futuro. De seu desejo de mudar uma página da história capixaba. Por isso deixou um legado que transformou seu nome em lenda. 

Livro
Livro "Jerônimo Monteiro: sua vida e sua obra". Crédito: Patrícia Vallim

Maria Stella Novaes é a autora do importante livro lançado. Ela era sua sobrinha. Viveu em Vitória como importante intelectual de sua época. Estudiosa, deixou vasta obra no campo da biologia, da botânica, da educação, do folclore e da história. O trabalho que escreveu sobre a vida e a obra de Jerônimo Monteiro é um trabalho cuidadoso e registra com rigor quem foi este grande administrador capixaba. Traz o que há de melhor e mais importante para a compreensão do gigante administrativo que foi o biografado. Enfim, “Jerônimo Monteiro: sua vida e sua obra” é um grande livro. Uma obra de leitura obrigatória a todos os capixabas, a todos aqueles que amam o nosso Estado e aos que se dedicam a estudá-lo.

*João Gualberto é secretário de  Estado da Cultura, historiador e pesquisador da história de Jerônimo Monteiro. 

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.