ASSINE
Autor(a) Convidado(a)
São arquitetos urbanistas do Projeto coletivo A Partir do Centro

Centro histórico de Vitória: conquistas, perdas e resistências

No bairro da Capital, dinâmica permanece estratificada entre a parte considerada histórica, dotada de infraestrutura, e morros do entorno, ainda desprovidos de condições urbanas adequadas

Publicado em 26/06/2021 às 02h00
Sábado de
Centro de Vitória, bairro da Capital do Espírito Santo. Crédito: Vitor Jubini

Vitória como cidade-porto expulsou os índios, recebeu imigrantes, pessoas escravizadas, estrangeiros e se fez portal de província e montanhas. Junto ao cais e às colinas, ao longo do comércio e das ocupações, a cidade-centro ordenou partes e impôs suas diferenças. Quando incontidas, geraram isolamentos, esquecimentos, apagamentos e preconceitos que ainda persistem em suas ruas.

O protagonismo histórico do Centro, como sede da capital do Espírito Santo, foi dissolvido com a expansão territorial da Grande Vitória, até se tornar um bairro a mais na cidade. Por ali, a dinâmica da vida cotidiana permanece sendo estratificada entre os moradores da parte considerada histórica, dotada de infraestrutura, e outra que abriga bairros consolidados nos morros do entorno, ainda que desprovidos de infraestrutura urbana adequada.

Ouvimos histórias e partilhas, desfilando em ladeiras e procissões, descrições de vidas extintas, guardadas ao lado de outras emoções correntes. Dos cotidianos, anotações vieram à vista, narrativas perdidas se tornam oportunidades e a memória dá lugar ao imaginário.

Assim, as experiências permanecem vivas como demandas, na reintegração porto-cidade, na rearticulação do comércio e dos serviços ou no anseio por moradia. Mas também como potências, no espaço habitado e vivido, na memória individual e coletiva e na resistência da vida cultural. Pensar o espaço urbano de forma integrada, seus múltiplos atores, permanentes e pendulares, públicos e privados, se faz necessário para debater o futuro da nossa cidade, uma cidade-mundo, feita de lugares, paisagens, falas e afetos, feita de nós.

Em maio deste ano, professores, técnicos, artistas, ativistas e poetas tiveram a oportunidade de apresentar e debater suas concepções e expectativas diante das novas práticas no centro da metrópole com o seminário transdisciplinar Cidade-Mundo. Promovido pelo projeto A Partir do Centro de forma online e com apoio da Lei Aldir Blanc, por meio da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), buscou entender Vitória dentro da perspectiva de que no mundo global a cidade se constitui cada vez mais virtual, imaterial e múltipla, dispersa e fragmentada.

Dessa forma, é igualmente importante discutir em que posições, classes, identidades e interesses locais se articulam e se articularão os trabalhos, os corpos, as memórias, impressas e os superpostas, em um espaço urbano nos tempos pós-pandemia. Em um só fôlego, o seminário Cidade-Mundo despertou um cruzamento de conceitos que balizam e ordenam posições e movimentos possíveis, sonhos, fazem valer gestos e mobilizam outros coletivos

Interpretações múltiplas informam as marcas nas construções, das desigualdades e dos recortes brutais, das dores e das perdas, mas revelam práticas que resistem, prolongam e dão continuidade às histórias de famílias e vidas.

Projeto coletivo voluntário, A Partir do Centro é formado por profissionais de arquitetura e urbanismo que atuam para promover (re)conhecimentos de desejos e projetos perdidos, a exposição de pensamentos e invenções em centros históricos. Com encontros e entrevistas, presenciais e virtuais, apostam no futuro, extraindo sentidos também das ruínas, das falas, garimpando ideias e sementes para conceder, assim, novas perspectivas e orientações à vida pública.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.