ASSINE

Tiros de fuzis de guerra apreendidos no ES podem chegar a 1,5 km

Além das armas, a polícia prendeu um homem e apreendeu drogas e munições em uma casa no bairro Itaquari, em Cariacica. . No mercado ilegal, o valor do armamento pode custar entre R$ 40 a R$ 100 mil

Publicado em 04/11/2019 às 13h02
PM apreende fuzis, drogas e munição em Cariacica. Crédito: Divulgação/PMES
PM apreende fuzis, drogas e munição em Cariacica. Crédito: Divulgação/PMES

Um homem foi preso por guardar três fuzis AK-47, carregadores e drogas na tarde deste domingo (03) no bairro Itaquari, em Cariacica. De acordo com a Polícia Militar, o armamento poderia ser utilizado na guerra pelo controle de pontos de tráfico de drogas na região. Os tiros dos fuzis apreendidos podem chegar a 1,5 km.

A prisão de Saulo Sampaio Zambom, de 37 anos, foi feita após denúncias anônimas. No local, os policiais foram recebidos por um parente do suspeito. As armas de guerra foram encontradas dentro de uma mala no quintal. Além dos AKs-47 calibre .556, também foram apreendidos 1.954 pinos de cocaína, 1.200 munições e três carregadores.

De acordo com o porta-voz da PM, tenente Sanderley, Saulo chegou ao imóvel após a abordagem inicial da Polícia Militar. O proprietário do imóvel, a partir das investigações iniciais, não tem relação com o armazenamento das armas e drogas. Ele foi preso e autuado por tráfico de drogas e porte ilegal de arma. Saulo foi encaminhado para o Centro de Triagem de Viana.

“O conduzido disse que guardou a arma para um terceiro, que é um traficante da região e, em princípio, é o dono desse armamento. Essa arma, possivelmente, poderia ser utilizada na disputa territorial por pontos de vendas de drogas, quanto em circunstância de empréstimo por grupos que atuam na região”, informou o oficial da PM.

Procurado pela reportagem para saber o poder do fuzil, o despachante de armas Marlos Borges afirmou que, se não encontrar obstáculos, o atirador pode acertar um alvo a uma distância de até 400 metros. No mercado ilegal, o valor do armamento pode custar entre R$ 40 a R$ 100 mil.

Marlos Borges

Despachante de armas

"O tiro ainda tem energia suficiente para ferir, matar e perfurar objetos, como uma bala perdida, a até 800 metros. E pode chegar mais longe, entre 1,2 km e 1,5 km, dependendo de circunstâncias favoráveis como o vento, a angulação do disparo e a ausência de obstáculos no caminho"

ORIGEM DA ARMAS

Questionado sobre a origem dos fuzis, o tenente disse que as investigações da Polícia Civil devem apontar quem compra, vende e distribui as armas no município. Segundo ele, a prisão do paraguaio Marcelo Vinícios Coutinho de Abreu, ocorrida no dia 1º de abril, pode ter relação com a propriedade dos AKs-47.

“O cidadão de nacionalidade paraguaia, que possuía passagens por roubo tráfico e receptação e tem mandado de prisão no âmbito internacional. Como a apreensão do fuzil foi no mesmo bairro, há a possibilidade de correlação do cidadão no caso das drogas e possibilidade de propriedade dos fuzis. Porém, a conclusão deve ser apontada após investigação”, ressaltou o tenente.

COMO FUNCIONA A ARMA

Histórico: O AK-47 ou AK, também é conhecido como Kalashnikov, é um fuzil criado em 1947 por Mikhail Kalashnikov e produzido na União Soviética pela indústria estatal IZH. Pode ser usado dentro lama, debaixo d'água e não enferruja na água do mar. O AK-47 mata, na média, cerca de 250 mil pessoal por ano. É a arma mais letal e mais produzida da história, usada por mais de 50 exércitos nacionais, guerrilheiros e terroristas. O livro dos recordes estima que haja 100 milhões no mundo: uma para cada 70 pessoas.

Peso: 3,8 kg

Comprimento: 870 mm

Velocidade de saída: 715 m/s

Alcance efetivo: 300

Mira: Mira de ferro com alça regulável e ponto de mira

armas cariacica drogas pm (polícia militar) polícia civil tráfico de drogas

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.