ASSINE

Transcol segue sem circular por bairros de Vila Velha após morte de entregador

Desde a manhã da última segunda (17), as linhas 612 e 653 não trafegam pela região entre 13 de Maio e Ulisses Guimarães devido ao assassinato do jovem Alailsson Nunes Pereira; Ceturb alega insegurança operacional

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 19/01/2022 às 13h35
Ônibus do Transcol no terminal de Campo Grande. Coletivos voltaram a circular a partir das 9h
Desde a última segunda, duas linhas do Transcol deixaram de circular por Ulisses Guimarães e 13 de Maio, em Vila Velha. Crédito: Fernando Madeira

Após dois dias, as linhas 612 e 653 do Transcol seguem sem circular pela região dos bairros 13 de Maio e Ulisses Guimarães, em Vila Velha. A Companhia Estadual de Transportes Coletivos de Passageiros do Estado do Espírito Santo, confirmou que os coletivos não estão trafegando nesta área para preservar a segurança dos trabalhadores e usuários. Segundo a Ceturb, não há prazo para a normalização do serviço.

A medida foi adotada desde a manhã da última segunda-feira (17), quando o jovem Alailsson Nunes Pereira, conhecido como "Maria Preta", foi encontrado morto próximo à casa dele em Ulisses Guimarães. O entregador, segundo os vizinhos, não tinha envolvimento com a criminalidade, já trabalhou como mecânico na oficina do pai e atualmente entregava lanches.

Após o crime, houve um toque de recolher e alguns comerciantes baixaram as portas dos respectivos estabelecimentos. Outra consequência foi a paralisação da circulação dos ônibus. A situação tem sido avaliada com as autoridades de segurança pública, mas até o momento não houve uma garantia à Ceturb para que os coletivos retornem com os itinerários.

Este vídeo pode te interessar

Demandada, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Estado, não retornou à solicitação feita pela reportagem de A Gazeta até o momento. Assim que houver um posicionamento, o texto será complementado.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.