ASSINE

Da carne de boi ao pé de galinha, inflação impõe restrições ao consumo

É um retrato de um país que está precisando fazer sacrifícios para garantir a alimentação. Itens básicos como arroz, feijão e macarrão também estão sendo menos consumidos

Publicado em 23/09/2021 às 02h03
carne
Carnes de frango e de porco ficaram mais caras no ES com a escalada dos preços dos cortes bovinos. Crédito: Pixabay

Enquanto a previsão do mercado financeiro para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu, novamente, de 8% para 8,25% neste ano, quem vai às compras no supermercado tem sentido no bolso o peso da carestia desde o ano passado. As elevações subsequentes do índice oficial da inflação no país corroboram o que se testemunha no dia a dia e provocam uma mudança no comportamento dos consumidores, que passaram a substituir itens alimentícios ou, no pior dos casos, a cortá-los da lista de compras.

Uma pesquisa do Datafolha realizada de 13 a 15 de setembro expõe em números o quanto a inflação em 2021 tem mudado aquilo que vai à mesa dos brasileiros. E o percentual é alto: 85% dos entrevistados afirmam ter reduzido o consumo de algum produto desde o início do ano, sendo os mais citados a carne de boi (67%), refrigerantes e sucos (51%), laticínios (46%) e pães (41%).

É um retrato de um país que está precisando fazer sacrifícios para garantir a alimentação. Itens básicos como arroz (34%), feijão (36%) e macarrão (38%) também estão sendo menos consumidos. Mas, por serem mais difíceis de serem substituídos, a redução é em uma escala menor.

Os cortes na lista não estão afetando somente os mais pobres. A pesquisa aponta que, por faixa de renda, os percentuais são altos mesmo nas famílias que recebem mais dez salários mínimos: 67% relatam ter cortado algum item alimentício. Mas é de fato nas camadas mais baixas que o impacto da inflação é escandaloso: na faixa da população com até dois salários, 88% das pessoas estão fazendo ainda mais restrições. Se já não era fácil, o tombo do poder de compra tem tornado as escolhas ainda mais duras.

No esquema das substituições, o ovo vira a proteína principal. Na pesquisa, 50% afirmaram ter aumentado o seu consumo. Enquanto a carne de boi se transforma em um item de luxo, o frango e o porco ganham espaço. Mas o que tem chamado atenção é o consumo de partes mais baratas como o pé de galinha e a moela, visto que o frango também encareceu.

"Dizem que pé de frango faz bem para os ossos, mas eu digo que faz bem para o bolso", sentenciou a cozinheira Irene Moreno, de Sorocaba, em reportagem do Estadão Conteúdo. São cortes apreciados por muitas pessoas, inclusive chefs de cozinha, mas a questão é quando não se trata de uma escolha por gosto, mas por falta de dinheiro. E é essa a situação de tanta gente.

Como nas imagens divulgadas, há dois meses, de uma fila em um açougue de Cuiabá, no Mato Grosso, formada para o recebimento de ossos. Fila que reuniu pessoas em dificuldades financeiras graves, que viram naquela doação a possibilidade de colocar um pouco de carne na panela, para garantir o sustento da família.

Dados de 2020 da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Penssan) mostram que há 19 milhões no país em situação de fome. A insegurança alimentar ganha espaço em um país no qual o desemprego atinge 14 milhões de pessoas.

As incertezas dominam o cenário econômico nacional. A OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) divulgou nesta terça-feira (21) uma projeção de que a inflação no  Brasil deve ficar entre as maiores do mundo em 2021, considerando um grupo de cerca de 20 economias. Pelas perspectivas, o país só ficará atrás da Turquia (17,8%) e da Argentina (47%).

A inflação é multifatorial, envolvendo variações no câmbio, flutuação das commodities, aumento da exportação. E obviamente a pandemia bagunçou tudo. É preciso começar a arrumar a casa de forma categórica e ordenada, é uma prioridade. O preço que se paga pela inércia é o crescimento da miséria.

Os ajustes na economia familiar expõem as dificuldades compartilhadas pelos brasileiros, mas não é preciso muito esforço para saber que há uma parcela da população mais prejudicada pela inflação. As desigualdades na paisagem inflacionária ficam mais evidentes e exigem uma reação articulada. A dificuldade de se colocar comida na mesa é uma desumanidade que jamais poderia ser naturalizada.

A Gazeta integra o

Saiba mais
IPCA Inflação Pobreza Alimentação Alimentos

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.