ASSINE

Dólar à vista sobe e fecha a R$ 5,43 com exterior negativo e cautela com CPI

No mercado futuro, porém, o dólar teve dia de queda moderada, influenciada pelo fechamento discrepante ontem em relação ao mercado spot, que caiu, enquanto o futuro teve leve alta

Publicado em 04/05/2021 às 17h54
Dólar
No fechamento, o dólar à vista terminou em alta de 0,22%, a R$ 5,4307. . Crédito: Pixabay

O dólar operou em alta no mercado à vista nesta terça-feira (04), acompanhando a valorização da moeda americana no exterior, em dia de aversão internacional a risco, e a cautela com a CPI da Covid, tentativa de derrubar parcialmente vetos do orçamento e a apresentação do relatório da reforma tributária.

No mercado futuro, porém, o dólar teve dia de queda moderada, influenciada pelo fechamento discrepante ontem em relação ao mercado spot, que caiu, enquanto o futuro teve leve alta, e ainda relatos do prosseguimento do desmonte de posições contra o real na B3.

Somente na segunda-feira, primeiro pregão de maio, investidores estrangeiros e fundos nacionais reduziram em conjunto US$ 2 bilhões em apostas compradas na B3, ou seja, que ganham com a valorização da divisa dos Estados Unidos.

No fechamento, o dólar à vista terminou em alta de 0,22%, a R$ 5,4307. No mercado futuro, o dólar para junho cedia 0,19% às 17h35, a R$ 5,4460.

O dólar teve as mínimas do dia, na casa dos R$ 5,41, em meio à declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, em audiência pública no Congresso. Ele avaliou que o dólar tende a cair, na medida em que o Brasil deve ter superávits comerciais recordes com a alta do preço das commodities no mercado internacional. "Acho que o dólar vai cair mais para frente", afirmou.

Como ressalta um diretor de tesouraria, as declarações tiveram repercussão no mercado porque Guedes sempre foi defensor de um real mais desvalorizado. O ministro reconheceu esta defesa nesta terça e afirmou que o câmbio estava fora do equilíbrio no Brasil, mas no ajuste no governo Bolsonaro, o dólar acabou subindo demais. "Todas essas incertezas, doenças, perspectiva de recessão, dúvidas sobre reformas, boatos de que toda hora o ministro pode cair. Vivemos uma fase difícil, turbulenta", afirmou o ministro na audiência pública.

Esta semana, profissionais das mesas de câmbio dizem que o Comitê de Política Monetária (Copom) pode dar novo fôlego ao real, caso sinalize mais altas pela frente e/ou retire do comunicado a expressão que classifica o ajuste em curso de alta na Selic como parcial.

Na avaliação do estrategista do Société Générale, Dev Ashish, o Copom deve elevar os juros na quarta-feira em 0,75 ponto porcentual e ainda sinalizar nova alta, por conta da pressão persistente na inflação. Ele prevê a Selic a 4,5% este ano e 5,5% em 2022, mas reconhece que os números estão abaixo do consenso do mercado e há risco de juros maiores, especialmente se houver aperto das condições financeiras internacionais ou se ocorrer mais deterioração das contas fiscais.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.