ASSINE

Família perde tudo ao ter casa queimada por bandidos em Cariacica

A casa de dois cômodos onde a mulher, grávida de nove meses, vivia com as seis filhas, foi queimada por criminosos. Nem o enxoval do bebê escapou

Publicado em 03/01/2019 às 17h54
Família perdeu tudo por conta do incêndio, que aconteceu em Cariacica. Crédito: Daniela Carla | TV Gazeta
Família perdeu tudo por conta do incêndio, que aconteceu em Cariacica. Crédito: Daniela Carla | TV Gazeta

O sofá e o fogão velhos, a cama e a geladeira novas, móveis que enchiam a pequena residência de dois cômodos ficaram destruídos junto com o enxoval do bebê - um menino - previsto para nascer até o final deste mês. Tudo, ou pouco que uma dona de casa de 38 anos tinha, foi perdido em um incêndio criminoso, provocado na madrugada desta quinta-feira (3), no bairro Porto de Cariacica, em Cariacica.

A casa onde ela vivia com as seis filhas - com idades entre 13 e três anos - foi invadida por dois homens armados e encapuzados, que obrigaram a mulher e as filhas a deixarem o imóvel para depois incendiarem o local. Elas só tiveram tempo de correr. Nem os chinelos, documentos, roupas e comida puderam ser levados.

A família ainda tenta entender o porquê da violência. A casa foi queimada depois que o pedreiro Maxwel Marsal de Oliveira, 26 anos, foi assassinado por cerca de 10 homens. A morte dele, de acordo com a polícia, desencadeou episódios de vingança e destruição no bairro, que resultaram em um imóvel apedrejado e outro incendiado.

A dona de casa conta agora com a solidariedade de vizinhos e parentes para ter onde dormir com as filhas e o que comerem.

“Foi uma covardia muito grande o que fizeram. Ela não tem envolvimento algum com as pessoas que mataram esse rapaz. Não tem motivo para fazer o que fizeram. Tirar uma mulher grávida de dentro de casa, com duas crianças e botar fogo no pouco que elas já tinham, é maldade demais”, desabafou uma dona de casa, 26 anos, prima da mulher que teve o imóvel queimado.

"Tudo o que eu tinha foi destruído"

Para a dona de casa de 38 anos, que teve a casa destruída por um incêndio criminoso a madrugada foi longa e dolorosa. Ainda sim, mostrou-se mais resignada do que revoltada com a violência sofrida pela família. Para ela, as filhas estarem vivas é o que mais importa.

O que aconteceu na madrugada?

Eu estava dormindo com as meninas na cama, quando dois homens com capuz na cabeça entraram, mandando eu sair. Minha casa é pequena e a porta não fecha direito. Nem ouvi eles chegarem.

Quem estava com você?

Minhas duas filhas, de três e 10 anos. Por sorte, as outras quatro foram dormir na casa da minha prima.

O que os bandidos disseram?

Falaram assim: ‘Levanta, levanta que vamos colocar fogo na sua casa. Sai com suas filhas daqui’. Depois jogaram gasolina em tudo e botaram fogo. Foi assim.

O que você fez?

Sai correndo, desesperada com as meninas e fui pedir socorro na casa dos vizinhos.

Imagina por que fizeram isso?

Não. Não faço ideia. Não tenho problema com ninguém. Vivo minha vida em paz, com minhas filhas.

Como vai ser agora?

Vai ser o que Deus quiser. Não tenho mais nada. Tudo, tudo, tudo...o que tinha foi destruído. Mas, minhas filhas estão vivas, isso que importa. Vou recomeçar com a ajuda dos outros.

VEJA FOTOS

A Gazeta integra o

Saiba mais
crime

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.