ASSINE

Discussão sobre reajuste para policiais do ES fica para depois do Carnaval

Na manhã desta sexta-feira (14), o governo do Estado se reuniu com a cúpula da polícia civil para debater o assunto

Publicado em 14/02/2020 às 15h50
Manifestação dos Policiais Civis, Militares e Bombeiros Civis do Espírito Santo . Crédito: Fernando Madeira
Manifestação dos Policiais Civis, Militares e Bombeiros Civis do Espírito Santo . Crédito: Fernando Madeira

As negociações sobre o reajuste para os policiais civis, militares e membros do Corpo de Bombeiros vão voltar a acontecer somente após o Carnaval. Na manhã desta sexta-feira (14), o governo do Estado se reuniu com a cúpula da Polícia Civil para debater o assunto.

“Foi uma reunião de governo, com delegados que são nomeados pelo governo para funções específicas. Nessa reunião de conselho recebemos sugestões tanto para a negociação quanto para a comunicação com os policiais”, disse o secretário de Estado de Governo, Tyago Hoffmann.

Logo no início, o encontro contou com a participação da delegada Ana Cecília Mangaravite, diretora do Sindicato dos Delegados de Polícia do Espírito Santo (Sindepes). Porém, na reunião não foi discutida uma proposta salarial, informou Hoffmann.

Tyago Hoffmann

Secretário de Estado de Governo

"A decisão sobre o reajuste vai acontecer somente depois do Carnaval. O governo fez uma proposta. Depois nós recebemos uma contraproposta e pedimos uma semana para fazer a avaliação. Assim, após o Carnaval voltaremos às negociações"

Mesmo sem participar de toda a reunião, a diretora do Sindepes enviou uma nota informando que os integrantes mantiveram a posição contrária ao índice de 4% apresentado pelo governo estadual.

“Informamos que após o fim da reunião do Conselho da Polícia Civil com o Governo os vários integrantes que estavam presentes relataram ter mantido posição contrária ao índice já rejeitado de 4%. Disseram que mantiveram posição coesa com a proposta da Frente Unificada salarial já apresentada ao Governo na data de ontem [quinta-feira] pelas associações militares”, apresenta o texto.

ATAQUES INTERROMPERAM PARTE DA REUNIÃO

Como a cúpula da Polícia Civil estava reunida com o governo do Estado na manhã desta sexta-feira, por algumas vezes a reunião precisou ser interrompida para que os representantes das polícias tomassem nota sobre os acontecimentos.

“No momento da reunião, uma parte das pessoas que estavam ali também estavam ajudando na coordenação da operação. Mesmo com pequenas interrupções, ela transcorreu bem. As pessoas que comandam estavam atuando no local, mas isso não prejudicou a reunião”, disse Tyago Hoffmann.

Na manhã desta sexta-feira (14) bandidos fecharam as principais vias de Vitória. O comércio foi fechado nas avenidas Leitão da Silva, Serafim Derenzi e Maruípe. Um ônibus do Transcol chegou a ser queimado na entrada do bairro Tabuazeiro.

Segundo o delegado-geral da Polícia Civil do Espírito Santo, José Darcy Santos Arruda, até o momento sete prisões já foram efetuadas pela polícia desde que as ações provocadas por criminosos foram desencadeadas em Vitória, inicialmente na Avenida Leitão da Silva e propagada para outras vias da capital capixaba.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.