ASSINE
Esquente os tamborins, fique por dentro dos bastidores do Carnaval de Vitória e conheça quem faz o samba acontecer no Espírito Santo com o escritor e jornalista Jace Theodoro

Desfiles das escolas de samba: crônica de um carnaval sem adeus

Fantasias com personagens que saltaram da imaginação foram dar no Sambão do Povo: índios, palhaços, malandros, roqueiros e africanos se embolaram na geleia geral da folia

Publicado em 20/02/2020 às 19h46
Atualizado em 27/03/2020 às 16h39
Boa Vista foi a campeã do Carnaval de Vitória 2020. Crédito: Rodrigo Gavini
Boa Vista foi a campeã do Carnaval de Vitória 2020. Crédito: Rodrigo Gavini

Alvoroço na avenida. A comissão de frente fez a primeira parada. Com asas nos pés e o espírito de um deus volátil, dançarinos lançaram pernas e braços no ar pro primeiro capítulo do enredo. As páginas foram se abrindo na avenida quando o mestre-sala e a porta-bandeira, enamorados em voleios sobre os pés de pluma, ergueram e beijaram o pavilhão da escola fazendo amor diante da multidão.

Fantasias com personagens que saltaram da imaginação e foram dar no Sambão do Povo: índios, palhaços, malandros, roqueiros e africanos se embolaram num ritmo endoidecido da geleia geral da folia. Alinhados nas alegorias, reis, princesas e súditos foram um só ao subverter hierarquias e ocupar o mesmo queijo, o que nenhum folião haveria de roer.

O samba cresceu na arquibancada, ouviram-se melodias e batuques impulsionados pelo comandante do canto, o intérprete e seu grito de chamamento, mais a percussão desvairada da bateria dando o tom da harmonia. O coração da escola pulsava.

Surdos, tamborins, cuícas e chocalhos alcançaram o dorminhoco folião trazendo-o inteirinho e ressuscitado pro centro da avenida. E não houve possibilidade de recuo, exceto o da bateria. Os braços do mestre dançaram no ar para reger sua orquestra feita de explosões, lágrimas de alegria, a paixão acesa em fogo alto.

Que beleza a evolução de anjos e diabos, pretos, brancos, amarelos e vermelhos de suor sanguíneo. Uma só canção em tantas. Ainda é carnaval! E quem cantar um samba atravessado há de voltar pra concentração, o eterno recomeço dos aprendizes do batuque. E quando você e eu terminamos o nosso passeio pela avenida, anunciou-se a hora do abraço, o suor em bicas de quem queria mais um pouquinho. E daqui da dispersão, o cronista-ziriguidum envia o beijo de até breve, em câmera lenta, sem pressa pra deixar a passarela do samba.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.