"Sem vida, não há economia", diz Doria sobre aumento de restrição em SP

O estado entrou na fase vermelha todos os dias nas próximas duas semanas. O governo paulista também anunciou a reabertura de hospital de campanha na capital.

Publicado em 22/01/2021 às 15h00
Atualizado em 22/01/2021 às 15h00
Governador de São Paulo, João Doria
Governador de São Paulo, João Doria. Crédito: Flickr Governo do Estado de São Paulo

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), defendeu, durante coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes nesta sexta-feira (22), o endurecimento das medidas restritivas no Estado anunciadas para as próximas duas semanas, e pediu compreensão dos empresários.

Ressaltando que o aumento no número de casos, internações e óbito no Estado é "extremamente preocupante", o governador disse respeitar as opiniões de micro pequenos e médios empresários, dizendo compreender "preocupações" e "ponderações" do setor, mas pediu a compreensão de que "sem vida, não há economia".

De acordo com o governador, "São Paulo não faz governo populista, governo condescendente, que cede a pressões e abandona o cidadão e abandona as pessoas que precisam deste apoio para continuarem vivas" concluiu.

Donos de bares e restaurantes e funcionários desses estabelecimentos protestaram nesta sexta pela manhã na frente do Palácio do Governo contra as medidas restritivas, que atingem basicamente o setor de gastronomia.

A mobilização foi organizada por chefs da Capital.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.