ASSINE

Especialistas revelam ideias que ficam na memória

Para ser uma marca sempre lembrada, é preciso coragem de mudar, bom senso para manter um discurso coerente e investimento em comunicação com o público

Publicado em 17/06/2021 às 20h00
Redes sociais; emojis; internautas; consumidores
As empresas precisam estar atentas aos requisitos para se tornarem inesquecíveis aos olhos do público. Crédito: Freepik

Já dizia o ditado “quem não é visto não é lembrado”. Quando o assunto são negócios, quais requisitos a marca deve ter para ficar na memória do consumidor, mesmo quando a pauta da vez passou a ser um vírus capaz de alterar o curso da economia global? Especialistas atestam que, para ser memorável, é preciso coragem de mudar, bom senso para manter um discurso coerente e investimento em comunicação com o público, para entender os anseios e perceber como os produtos estão sendo recepcionados e consumidos.

“A mais decisiva atitude para a marca não estagnar é compreender que ficar parado não é mais uma opção. A época é de transformação radical. Portanto, é preciso estar pronto para mudar quase tudo: maneiras de se posicionar, interagir e atender ao público. Sempre buscando maneiras profissionais e atualizadas de se fazer isso, pois, ainda pior do que sentir-se estagnado, é se movimentar para a direção errada”, ressalta o CEO da holding Beta Rede, Rimaldo de Sá.

Um dos grandes exemplos de marcas que se destacaram durante o último ano, na opinião de Rimaldo, é o Magazine Luiza, que soube explorar o comércio digital e ainda usou a plataforma para ajudar pequenos negócios a se manterem de pé, fazendo o que muitas empresas já perceberam ser uma exigência dos novos modelos de negócio: jamais limitar a marca aos produtos e sempre expandir para o lado social, humanitário e ambiental.

Rimaldo de Sá, CEO da Beta Rede
Rimaldo de Sá frisa que ficar parado não é mais uma opção para as marcas. Crédito: Acervo pessoal

“A pandemia criou um cenário de mudanças extremas e, para uma boa parte das marcas, isso demandou alterações na forma de atuar e se comunicar. Além disso, a crise resgatou o papel da união e das grandes instituições que têm a capacidade de responder a questões coletivas”, analisa o CEO da Beta Rede.

O Magazine Luiza, acrescenta Rimaldo, enxergou seu papel social para reafirmar seu posicionamento e sua marca. “Ou seja, uma ideia poderosa porque mantém a marca na pauta e a torna importante para milhares de pessoas.”

Ainda no início da pandemia, muitos aplicativos e serviços de streaming disponibilizaram conteúdo gratuito como cursos, canais de filmes, séries, música e até livros digitais. Segundo os especialistas, além de fomentar o isolamento social necessário no período, marcas como Faber-Castell, Casa do Saber e Globoplay propiciaram conhecimento e lazer, cativando o público, que viu nas empresas um forte sentimento de empatia, aumentando as chances de converter o apreço em vendas no futuro.

No processo para não perder espaço, fechar as portas ou cair no esquecimento, uma necessidade já antiga, porém evidenciada com o novo contexto, é fortalecer os vínculos e criar um público especializado.

Isso significa dizer que a marca precisa criar conexões sólidas, com envolvimento verdadeiro com os clientes e se apresentar como indispensável no segmento de atuação. O desafio é entregar sentido e propósito com coerência e verdade.

“Trata-se de um contexto mais complexo para marcas que focam exclusivamente o produto ou serviço, mas é uma grande oportunidade para aquelas empresas que vão além e que buscam a todo instante consolidar-se como indispensável e insubstituível”, frisa o sócio-diretor da Teia Comunicação, Gustavo Oliveira.

Para o especialista em marcas e comunicação, independentemente da pandemia, a readequação para que os nomes não saiam da cabeça dos consumidores deve acontecer, já que o futuro ainda é incerto e muitos dos novos modelos de comunicação, de propaganda e de vendas vieram para ficar. Ele ressalta ainda que o trabalho das marcas durante a pandemia vai servir como um legado para o futuro, sendo de suma importância fortalecer o comércio digital e o relacionamento a distância com os consumidores.

Gustavo Oliveira, sócio-diretor da  Teia Comunicação
Gustavo Oliveira destaca que é necessário sempre buscar alternativas para estar na vida do consumidor. Crédito: Acervo pessoal

“Muitos restaurantes criaram alternativas e experiências gastronômicas diferenciadas, instituições de ensino adotaram a educação a distância, academias de ginástica criaram planos para o aluno se exercitar em casa, supermercados e grandes varejistas fortaleceram e-commerce e delivery. As empresas precisaram encontrar alternativas para continuar presentes na vida do consumidor, independentemente do contexto externo de pandemia”, pontua Oliveira.

O diretor da Teia reconhece, contudo, que nem todas tiveram fluxo de caixa suficiente, ou capacidade técnica para inserção de novos processos a tempo, e acabaram encerrando as suas atividades. “Foi, e está sendo, um período muito cruel para pequenos comércios, já que um dia de portas fechadas pode comprometer todo o seu financeiro”, sentencia. 

A Gazeta integra o

Saiba mais
Recall de Marcas Recall de Marcas 2021 Recall 2021

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.