Irmão de zagueiro do Santos foca em vaga olímpica na natação e vê chance de medalha no revezamento

André Calvelo, de apenas 20 anos, disputará em abril a seletiva nacional para os Jogos de Tóquio, com foco em vaga no 4x100m livre. Parceria com Wagner Leonardo é motivação...

Publicado em 15/02/2021 às 11h16
Atualizado em 15/02/2021 às 17h31
 Crédito: Reprodução Instagram
Crédito: Reprodução Instagram

Promessa da natação brasileira, André Calvelo, de 20 anos, quer mostrar a força da modalidade nos Jogos Olímpicos. A oportunidade será em julho deste ano, em Tóquio, no Japão, onde o paulista de Praia Grande brigará por vaga, com foco na prova dos 100m livre e no revezamento 4x100m livre. A seletiva nacional acontecerá em abril, no Parque Aquático Maria Lenk, no Rio.

Nascido em uma família de esportistas, o jovem comentou sobre a expectativa que envolve o evento em um contexto de incertezas devido à pandemia, falou sobre a preparação, analisou os adversários e contou como é a sua relação com o irmão Wagner Leonardo, de 21 anos, zagueiro do Santos. - Penso que a Olimpíada vai ter. Vamos chegar antes, fazer teste e reteste a cada quatro dias. Se mantiver esse padrão e nível, não tenho dúvida (de que o evento ocorrerá). Mas, acontecendo ou não, preciso estar preparado. Minha opinião é que vai ter e estou seguro. É um sonho que almejo e busco todos os dias. Depois da Rio-2016, pensava em um dia chegar a uma Olimpíada e em Tóquio. Quero realizar este sonho - disse Calvelo, que completa 21 anos em agosto.

- O revezamento do Brasil 4x100 livre é muito bom. Se todos estiverem na melhor forma, acredito que nós conseguiremos um resultado bem expressivo e com chance de medalha nos Jogos Olímpicos. Os adversários são fortes também. Temos Estados Unidos, Austrália, Itália... vários adversários bons. Temos de ir para cima, sem medo - analisou o nadador.

O Japão ainda não começou a vacinação em massa e teve, na última semana, média de 1933 casos por semana.

Em meio a indefinição, Calvelo mantém contato com Wagner, que também vive uma fase de metas cada vez maiores na carreira. O zagueiro chegou a entrar em campo na última Libertadores, na qual o Santos terminou com o vice-campeonato.

- É um aprendizado. Feliz pelo meu irmão, feliz pelo que aconteceu e está acontecendo na carreira dele. Tem muitos momentos inesquecíveis que eu e Wagner vivemos juntos. Moramos juntos durante 19 anos, que foi quando ele se casou. Vivemos muita coisa. Viagens, disputa em campeonato de hotel, disputa de futsal e natação também. Vivemos muito juntos. Fazíamos tudo juntos. Sempre fomos parceiros. Não é de hoje. São várias histórias. Não nos desgrudávamos - contou André.

BATE-BOLAAndré CalveloNadador

Como é pensar em buscar uma vaga olímpica sem saber se o evento de fato ocorrerá, devido à pandemia? Como você trabalha essa questão?A pandemia favoreceu algumas pessoas e desfavoreceu outras. Temos que ver onde estamos mais encaixados nisso. Não sei como treinaram o pessoal do Brasil na fase da pandemia mesmo. Vai da dedicação e foco de cada pessoa. Tem uns que querem mais e outros que não querem. Já na seletiva vamos ter um norte de como vamos estar para a Olimpíada.

Você também teve ligação com o futebol na sua trajetória? Por que escolheu a natação?Tive ligação sim por causa do Wagner. Acabei indo para o salão. A gente foi os primeiros alunos da escolinha do Santos, o Grande Lance, junto com o filho do dono. Ali a gente foi desenvolvendo e jogando futsal. Wagner se destacava. Sempre foi melhor no futsal. Fomos para o campo e ele se destacou mais ainda. Eu falei que isso não era para mim. Vou tentar outro. Foi quando comecei a nadar. Flávio Antunes, que era dono dessa escolinha, levou ele para fazer teste no Santos e desde lá começou no campo e eu comecei a nadar.

Quais são suas grandes inspirações nos esportes e por quê?Minha grande inspiração é nada menos e nada mais do que o Cesar Cielo. O único medalhista de ouro brasileiro no meu esporte. Cielo fez coisas que ninguém fez. Ele detém dois recordes mundiais desde 2009, tricampeão mundial, ele é fora da curva. Tenho como inspiração também Nicholas Santos pela qualidade de vida e de resultado que o cara consegue chegar aos 41 anos. Serve de inspiração para muitos por causa do padrão de vida que ele vive. Foi isso que fez chegar nessa idade e bem, sendo campeão e recordista mundial. Nicholas também é uma inspiração de como você deve levar seu corpo ao limite, ao extremo, independente da idade. É um amigo pessoal meu. Tem também Bolt, Ayrton Senna, Kobe Bryant... também gosto muito de basquete.

santos

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.