ASSINE
Oferecimento:
Modo de Visualização:

Valdiram foi espancado e morto por ter abusado de criança, diz polícia

Delegado que apura o homicídio do ex-jogador do Vasco afirma que ele apanhou por pelo menos três horas antes de morrer

Publicado em 03/05/2019 às 11h25

O delegado Vander Cristian Rodrigues, do departamento de homicídios (DHPP) da Polícia Civil de São Paulo, responsável por investigar a morte do ex-jogador Valdiram, afirmou, em entrevista ao "Uol Esporte", que o crime foi motivado pelo abuso de uma criança de três anos pelo ex-atleta. O artilheiro da Copa do Brasil de 2006 pelo Vasco foi espancado até a morte, nas ruas de São Paulo, na madrugada do dia 19 de abril.

O jogador Valdiram em treino realizado no estádio São Januário em 2006. Crédito: Carlos Moraes/Agência O Dia/NA
O jogador Valdiram em treino realizado no estádio São Januário em 2006. Crédito: Carlos Moraes/Agência O Dia/NA

– Temos evidências robustas nos autos de que ele praticou ato libidinoso contra a criança. Duas testemunhas comprovam, além da narrativa do suspeito. Além disso, ele foi encontrado nu - declarou o delegado.

Imagens de câmeras de segurança e o depoimento dos moradores de rua presos levam a polícia a acreditar que Valdiram foi espancado por pelo menos três horas até morrer na calçada da rua Santa Eulália, por abusar de uma menina dentro de uma barraca.

Ainda de acordo com a reportagem, os moradores da área se referiram ao ex-jogador do Vasco como "Jack", termo usado para se referir a estupradores.

– Tem testemunhas que dizem ter visto ele caminhando com camiseta preta tentando cobrir as partes genitais, ele foi encontrado nessas condições e tem uma testemunha que estava dentro da barraca e diz que ele estava só de camiseta na barraca, a avó da criança. Esses elementos nos trazem indícios. Quem foi ouvido é uníssono no sentido de que ele teria praticado um ato libidinoso com uma criança de 3 anos – completou o responsável pelo caso.

Agressor, com pedaço de pau na mão, caminha na rua após espancar Valdiram. Crédito: Reprodução/TV Globo
Agressor, com pedaço de pau na mão, caminha na rua após espancar Valdiram. Crédito: Reprodução/TV Globo

Histórico de abusos sexuais e indisciplinas

O ex-jogador, que estava morando na rua, sofria de alcoolismo e compulsão por sexo e drogas. Em 2001, foi acusado duas vezes de tentativa de estupro no interior de São Paulo. Uma adolescente de 14 anos e e uma ex-namorada fizeram as denúncias.

Valdiram tinha um histórico grande de polêmicas que prejudicaram a sua carreira. Foi preso três vezes, numa delas por tentativa de estupro. Em passagem por Portugal no início dos anos 2000 foi acusado pelo crime por uma jovem. No Vasco, foi dispensado por faltar treinos e cometer atos de indisciplina, como chegar bêbado à concentração.

O auge do ex-atacante Valdiram no Vasco foi em 2006, quando foi artilheiro da Copa do Brasil no time que foi vice-campeão da competição. No Cruz-Maltino, ele chegou a formar dupla com Romário e foi treinado por Renato Gaúcho.

Sem chances no futebol por conta das indisciplinas, Valdiram aumentou o seu drama. Em 2011 e 2012 precisou ser internado numa clinica de reabilitação. Depois, se tornou evangélico e teve nova oportunidade nos gramados no primeiro semestre de 2013, pelo Bonsucesso.

Porém, alguns anos depois foi encontrado morando nas ruas de Bonsucesso, Zona Norte do Rio de Janeiro, em 9 de fevereiro de 2018. Depois disso, recebeu ajuda do Vasco e foi levado à uma clínica de reabilitação e teve alta em junho do ano passado. Ele chegou a receber oportunidade no Olaria, mas o vício em drogas o fez sumir novamente. A última ajuda que recebeu foi para comprar uma passagem para São Paulo, onde disse que encontraria uma irmã.

A última vez em que se teve notícias de Valdiram antes de sua morte foi em um vídeo que circulou na internet em dezembro do ano passado. Nele, o ex-jogador aparece ao lado de outros moradores de rua em São Paulo pedindo ajuda a Romário, Edmundo e Renato Gaúcho.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.