ASSINE

Organização que fraudava tributos é alvo de operação da PF

O grupo é formado por escritórios de advocacia suspeitos de vender créditos fictícios e suspensão de cobranças

Publicado em 26/06/2019 às 14h34
A Receita já identificou mais de 96 mil contribuintes que tiveram o Documento de Arrecadação do Simples Nacional fraudado em todo o Brasil. Crédito: Reprodução
A Receita já identificou mais de 96 mil contribuintes que tiveram o Documento de Arrecadação do Simples Nacional fraudado em todo o Brasil. Crédito: Reprodução

Uma organização criminosa formada por escritórios de advocacia suspeitos de vender créditos fictícios para compensação de tributos federais ou suspensão de cobrança é alvo de uma operação da Polícia Federal. A Operação Saldos de Quimera foi deflagrada no começo da manhã desta quarta-feira (26) e conta com o apoio de auditores da Receita Federal e de procuradores do Ministério Público Federal.

As investigações, que levaram a operação, tiveram início com ações da Delegacia da Receita Federal, em Vitória, que, “a partir de auditorias, identificaram empresas que retificavam os pedidos de compensação de tributos alegando créditos indevidos ou retificavam a Declaração do Simples Nacional inserindo informações fraudulentas”.

Os policiais federais estão cumprindo, desde as primeiras horas da manhã, mandados de busca expedidos pela 2ª Vara Federal Criminal de Vitória em escritórios de advocacia em endereços na capital do Espírito Santo e no Rio de Janeiro.

De acordo com a Receita Federal, o nome da operação, Saldos de Quimera, faz referência aos créditos fictícios. A palavra quimera alude a qualquer composição fantástica, absurda ou fantasiosa, constituída de elementos disparatados ou incongruentes, significando também, por derivação de sentido, o produto da imaginação, sonho ou utopia”.

ALERTA

A Receita informou que já identificou mais de 96 mil contribuintes que tiveram o Documento de Arrecadação do Simples Nacional fraudado em todo o Brasil, e “alerta que aqueles que não regularizarem espontaneamente a situação perante o Fisco serão objeto de ação fiscal ou auditoria interna. Uma vez iniciado o procedimento fiscal, ocorre a perda da espontaneidade e o sujeito passivo deverá arcar, além do valor principal devido, com multa de ofício que poderá atingir 225% do tributo”.

Denúncias relacionadas a conhecimento de vendas de créditos tributários poderão ser feitas no site da receita.

A Gazeta integra o

Saiba mais
crime receita federal rio de janeiro vitória

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.