ASSINE
Economista, professor universitário, ex-deputado federal e ex-ministro da Fazenda. Neste espaço, faz reflexões sobre as decisões econômicas do país. Escreve às quartas

Falta de coordenação institucional pode matar a "pátria amada"

Os poderes Executivos (União e Estados) e os presidentes da Câmara, do Senado e do Supremo Tribunal Federal precisam se sentar à mesa para um entendimento que tire a sociedade brasileira dessa confusão

Publicado em 13/05/2020 às 08h30
Covid-19
Novo coronavírus. Crédito: Viktor Forgacs/ Unsplash

Passaram-se quase 80 dias desde que a primeira vítima infectada pela Covid-19 foi descoberta em São Paulo, no dia 26/2. Continuamos, até agora, sem saber qual é a situação da sociedade brasileira em relação à terrível pandemia, mais uma das muitas zoonoses que habitam a história do homem. Desde o primeiro momento, os responsáveis pela saúde pública invocaram a "ciência" como sua orientação.

Ora, a essência do enfoque científico é "medir e medir!", coisa que nunca fizemos e que substituímos pela retórica midiática. Gastamos tempo proclamando o remédio prescrito pela ciência ("fique em casa"), mas ignoramos o seu método de apreensão da realidade, o que, afinal, significa negá-la!

O pouco que sabemos sobre a pandemia, com todas as suas limitações, devemos ao competente trabalho da Fiocruz. Sua estatística informa que, desde as primeiras notícias de infectados pela Covid-19 (em 26/2), tivemos quatro dias até que se revelasse o segundo.

Se tomarmos o dia 28/2 como a origem dos registros até 11/5 e os dividirmos em "blocos" de sete dias, teremos dez blocos completos (que terminam em 6/5) e um hoje ainda incompleto, de três dias de observação e que só se completará em 13/5. Por conveniência, é melhor chamá-los de "semanas".

O primeiro bloco (a primeira "semana") vai de 28/2 a 5/3. Nele, a expansão da pandemia foi incrivelmente rápida: de 1 a 7 infectados, ou seja, uma expansão de 32% de infectados por dia! As taxas de aumento de infectados dentro das dez "semanas" foram as seguintes: 29% no segundo bloco, 30% no terceiro, 18% no quarto, 13% no quinto e 10% no sexto. 

A partir da sétima (em torno da terceira semana de abril no calendário: dia 16 a 22), verifica-se que ela se estabilizou numa taxa entre 6% e 7%, mas que produziu um acréscimo de quase 50 mil infectados entre a 9ª e a 10ª "semana".

É preciso reconhecer que os poderes Executivos (União e Estados) e os presidentes da Câmara, do Senado e do Supremo Tribunal Federal, se não se sentarem à mesa para um entendimento que coordene a saída da sociedade brasileira da confusão que a descoordenação entre eles produziu, conseguirão o que parecia impossível. Matar a pátria amada.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.