ASSINE

Vasco faz reunião com organizadas contra cantos discriminatórios

Clube promoveu, em São Januário, evento para conscientizar integrantes das torcidas e, consequentemente, evitar punições também ao clube...

Tempo de leitura: 2min
Publicado em 14/05/2022 às 12h17
Atualizado em 14/05/2022 às 15h31

O Vasco promoveu, na última quinta-feira, um encontro para conscientizar torcidas organizadas contra cantos discriminatórios. O clube revelou a reunião neste sábado. Um advogado foi um dos representantes do clube, que pretende, obviamente, evitar punições.Confira a nota publicada pelo site oficial do Cruz-Maltino."Por iniciativa do Departamento de Integridade e Compliance do Vasco da Gama, foi realizada essa semana um encontro com líderes de diversas torcidas organizadas do clube para reforçar um ponto importante: a história de inclusão social do CRVG e a necessidade de medidas para evitar atos discriminatórios (racistas, homofóbicos ou misóginos, por exemplo) em nossos jogos. Foi esclarecido que cantos e práticas discriminatórias podem acarretar punições severas para os clubes.O encontro, chamado de “Conscientização e prevenção a Atos discriminatórios no futebol”, aconteceu na quinta-feira em São Januário, e serviu para relembrar sobre os lamentáveis casos de racismo recentes por que passou o futebol brasileiro e esclarecer o que a legislação da CBF e o Código Brasileiro de Justiça Desportiva preveem, principalmente no que se refere a cantos discriminatórios, considerados de extrema gravidade.

Para atletas e comissão técnica, as punições podem ir de suspensão de 5 a 10 jogos, multa de até R$ 100 mil e perda de 3 a 6 pontos, em caso de reincidência. Para o clube, a punição prevê multa pecuniária e para o torcedor, identificado, exclusão das praças esportivas por, no mínimo, dois anos.

Nas manifestações da torcida, o clube pode ser punido com multa, além da possibilidade de perda de pontos e mando de campo.

Este vídeo pode te interessar

-> Confira a tabela da Série B do Campeonato Brasileiro

Estiveram à frente do encontro a coordenadora de Compliance e Integridade do Vasco, Clarissa Arteiro e o advogado Marcel Macedo. O encontro é parte do esforço do Clube para dialogar com diversos setores, buscando esclarecer sobre a importância de valorizar a história inclusiva do Vasco e prevenir quaisquer punições."

A Gazeta integra o

Saiba mais
vasco

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.