ASSINE

MPES investiga o atual e o ex-presidente da Câmara de Nova Venécia

Além dos vereadores Josiel Santana e Luciano Pereira dos Santos, o procurador-geral, um ex-vereador e um advogado são suspeitos de irregularidades. Celulares foram apreendidos

Publicado em 26/07/2019 às 18h53
Câmara de Nova Venécia: investigação envolve parlamentares do Legislativo. Crédito: Divulgação Câmara de Nova Venécia
Câmara de Nova Venécia: investigação envolve parlamentares do Legislativo. Crédito: Divulgação Câmara de Nova Venécia

Tráfico de influência, fraude processual, organização criminosa, concussão e corrupção ativa e passiva. É pela suposta prática destes seis crimes que dois vereadores, dois advogados e um ex-parlamentar da Câmara de Nova Venécia estão sendo investigados pelo Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES).

Deflagrada na última sexta-feira (19), a Operação Hígia cumpriu mandados de busca e apreensão dos aparelhos celulares dos envolvidos. São eles: o vice-presidente do Legislativo, Josiel Santana (PV); o ex-vice-presidente Luciano Pereira dos Santos (PV); o procurador-geral José Fernandes Neves; o ex-vereador Ronaldo Mendes Barreiros (SD) e o advogado José de Sá Rodrigues.

De acordo com o MPES, o nome da operação faz referência à deusa grega da saúde e foi escolhido por causa das supostas irregularidades na marcação de consultas médicas. A realização contou com o Grupo de Apoio Policial e o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco-Norte), com o apoio do Núcleo de Inteligência da Assessoria Militar e da Polícia Militar.

PROCESSOS INTERNOS DE CASSAÇÃO

Conhecido como "Biel da Farmácia", Josiel Santana passou por procedimento de cassação na Câmara de Nova Venécia por possíveis irregularidades na marcação de consultas na rede municipal de saúde, mas acabou absolvido. O resultado, no entanto, teria sido fraudado por causa de um acordo entre ele e o então vereador Ronaldo Mendes Barreiros.

Josiel Santana, o Biel da Farmácia. Crédito: Câmara de Nova Venécia
Josiel Santana, o Biel da Farmácia. Crédito: Câmara de Nova Venécia

Segundo alega o MPES, Ronaldo teria pedido ao advogado de Josiel para que elaborasse um parecer que o isentasse. Em contrapartida, ele próprio seria beneficiado na comissão que analisava o processo de cassação dele, da qual o colega fazia parte. Porém, Ronaldo acabou com o mandato cassado em 4 de julho de 2018, por subtrair um notebook da Câmara.

Ronaldo Mendes Barreiros, vereador de Nova Venécia. Crédito: Câmara de Nova Venécia
Ronaldo Mendes Barreiros, vereador de Nova Venécia. Crédito: Câmara de Nova Venécia

AFASTADO EM 2018

Já o vereador Luciano Pereira dos Santos, o "Cabo Tikeira", ficou afastado entre os dias 31 de julho e 28 de novembro de 2018 por um parecer favorável à Ação de Afastamento Cautelar, proposta pelo MPES. Desde então, ele encontra-se com a situação ativa na Câmara de Nova Venécia, em razão da revogação da decisão de afastamento.

Luciano Pereira dos Santos, vereador de Nova Venécia. Crédito: Câmara de Nova Venécia
Luciano Pereira dos Santos, vereador de Nova Venécia. Crédito: Câmara de Nova Venécia

O OUTRO LADO

Por telefone, a Câmara de Nova Venécia alegou que não foi notificada oficialmente sobre a investigação e que, por isso, não poderia se manifestar. A mesma postura foi adotada pelo procurador-geral José Fernandes Neves. O Gazeta Online não conseguiu contato com os demais envolvidos.

A Gazeta integra o

Saiba mais
corrupcao mpes nova venécia

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.