ASSINE

Pais e funcionários revelam alívio com reabertura de creche

Após surto de gastroenterite e um mês de interdição, creche particular de Vila Velha voltou a funcionar nesta quinta-feira (2)

Publicado em 02/05/2019 às 12h55
Creche Praia Baby estava fechada após ser constatado no local um surto de gastroenterite. Crédito: Eduardo Dias
Creche Praia Baby estava fechada após ser constatado no local um surto de gastroenterite. Crédito: Eduardo Dias

Depois de passar por um processo desinfecção e apresentar novos laudos com análises sobre a qualidade da água que oferece aos alunos, a creche particular de Vila Velha que passou por uma investigação de surto de gastroenterite voltou a funcionar na manhã desta quinta-feira (2). O primeiro relato de infeção no local, feito pela própria instituição, aconteceu no dia 15 de março e a interdição total foi em 1º de abril. O relatório final sobre os motivos do surto ainda não foi concluído.

A reportagem da CBN Vitória esteve na creche e ouviu pais e alunos sobre a retomada das aulas. Uma funcionária da instituição, que pediu para não ter o nome revelado, afirmou que o clima entre os cuidadores era de alegria em voltar ao trabalho.

O coordenador de recursos humanos, Thiago Bergamaschi, é pai da pequena Emília, de 3 anos, primeira aluna a chegar à creche nesta quinta-feira. Ela foi recebida com palmas pelos funcionários da instituição.

“Minha filha, por acaso, foi a primeira chegar hoje na creche, e foi recebida por todos os cuidadores. Foi um momento bem bonito de retomada das aulas. A creche, é claro, fez algumas adequações, algo que traz ainda mais segurança e conforto pra gente”, opinou o pai.

O pai Thiago Bergamaschi levou a filha, de 3 anos, na creche. Crédito: Eduardo Dias
O pai Thiago Bergamaschi levou a filha, de 3 anos, na creche. Crédito: Eduardo Dias

Thiago também afirmou que nenhum dos 19 alunos que tiveram os sintomas da infecção eram colegas de classe da sua filha. “Nenhuma das crianças era da sala dela. Nós não falamos diretamente com ela sobre o problema (interdição da creche), mas ela via pela televisão e falava que a creche estava fechada. Acho que, dentro da limitação de uma criança de três anos, ela percebeu o que estava acontecendo”, explicou o pai.

MUDANÇAS NA CRECHE

Por determinação da Prefeitura de Vila Velha, a limpeza e desinfecção da creche foi feita por uma empresa especializada em reservatórios de água e tubulações. Os proprietários do local também precisaram apresentar laudos de análise microbiológica da água com resultados satisfatórios, emitido por laboratório.

A creche também vai realizar análises pelos próximos seis meses na entrada e na saída dos reservatórios de água, na torneira de saída de todos os bebedouros, nas torneiras do berçário e em uma das torneiras do setor de preparação de alimentos. Também foi exigida a troca de filtros dos bebedouros e a instalação de filtros na cozinha.

Chafariz em creche interditada de Vila Velha. Crédito: Eduardo Dias
Chafariz em creche interditada de Vila Velha. Crédito: Eduardo Dias

Em relação a um chafariz utilizado para recreação das crianças, local onde foi localizada uma das amostras da bactéria E.Coli, a creche não poderá mais utilizar água de recirculação no brinquedo, somente água corrente. As outras duas amostras de E.Coli foram encontradas na torneira do refeitório e na torneira de uma fábrica de cerveja artesanal, que funcionava nos fundos da creche e foi desmontada.

RELATÓRIO AINDA NÃO ESTÁ CONCLUÍDO

A prefeitura de Vila Velha informou, nesta quinta-feira, que o relatório final de investigação sobre o surto na creche ainda não está concluído. A apresentação do relatório está marcada para acontecer no dia 7 de maio, em uma audiência na Assembleia Legislativa do estado.

A Secretaria de Saúde do município aguarda resultados de alguns exames. Amostras da bactéria E.Coli foram encontradas em três locais da creche e encaminhadas para o laboratório da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro.

Como existem vários tipos de E.Coli, o objetivo desse encaminhamento é investigar se a E.Coli encontrada na creche é a bactéria do tipo mais grave. Duas crianças da creche apresentaram a tipificação mais grave da infecção, que causa sérias lesões nos rins. Um dos alunos da creche, um menino de 2 anos, morreu em decorrência da infeção.

INVESTIGAÇÃO DA POLÍCIA CIVIL EM SIGILO

A Polícia Civil informou que a investigação para apurar a causa da morte do aluno da creche segue em andamento na Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Vila Velha, sob sigilo decretado pela 4° Vara Criminal de Vila Velha. Informações sobre o Inquérito Policial devem ser repassadas somente após a finalização das investigações.

SURTO DE GASTROENTERITE EM CRECHE

Primeiro caso: 15 de março

Creche interditada: 1º de abril

Alunos que apresentaram sintoma de infecção: 19

Funcionários com sintomas de infecção: 5

Secundários* com sintomas de infecção: 13

*Pessoas que não frequentavam a creche, mas tinham contato com alunos ou funcionários

A Gazeta integra o

Saiba mais
cbn cotidiano cbn vitoria reportagens vila velha

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.