ASSINE

Promotoria abre inquérito por denúncia de racismo no Mc Donalds

Segundo depoimento, segurança de loja da rede teria dito a mulher negra, que estava com dois filhos: "Não é para ficar pedindo aí não! Sai fora!"

Publicado em 02/04/2019 às 19h14
Loja do Mc Donalds. Crédito: Foto: Jason Lee / Reuters
Loja do Mc Donalds. Crédito: Foto: Jason Lee / Reuters

A Promotoria de Justiça dos Direitos Humanos instaurou inquérito civil na segunda-feira (1°), para apurar suposta discriminação racial dentro de uma loja do Mc Donald’s, em São Paulo. O Ministério Público vai apurar a responsabilidade da rede sobre o caso e também verificar se a empresa possui políticas corporativas de promoção da igualdade racial. As informações foram divulgadas pelo site da Promotoria de São Paulo.

De acordo com a portaria de instauração do inquérito, assinada pelo promotor de Justiça Eduardo Valerio, ‘Fernanda, que é negra, estava em companhia de seus dois filhos, de 7 e 3 anos, quando foi a uma unidade do McDonald’s situada na rua Domingos de Morais, na capital paulista, com o intuito de comprar um sorvete no quiosque da loja’.

“Ao entregar o cartão do Bolsa Família (utilizado, no momento, como um cartão de débito), Fernanda foi abordada por um segurança do estabelecimento comercial, que impediu a realização da venda. Segundo a vítima, o segurança da loja gritou para ela: “Não é para ficar pedindo aí não! Sai fora!””.

O promotor diz que ‘há indícios de prática de racismo institucional nas dependências da rede de restaurantes McDonald’s, e que a Constituição Federal estabelece como objetivo do país a promoção do bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação’.

Entre as diligências determinadas pelo promotor de Justiça está o envio de ofício ao McDonald’s Brasil dando prazo de 30 dias para que a empresa responda, por exemplo, quais são as ordens e orientações dadas aos empregados próprios e de empresas terceirizadas no que se refere ao relacionamento entre eles e entre esses e os clientes do estabelecimento comercial e se há alguma orientação dada quanto a aspectos raciais e étnicos de funcionários e clientes.

COM A PALAVRA, MC DONALD’S

A reportagem tenta contato com a rede. O espaço está aberto para manifestação.

A Gazeta integra o

Saiba mais
racismo

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.