ASSINE

Reintegração de posse em Vila Velha comove leitores: "Muito triste"

Cerca de 150 famílias foram retiradas de fazenda que ocupavam na Barra do Jucu, em Vila Velha, por oficiais de Justiça. Terreno pertence a uma idosa de 73 anos

Publicado em 26/09/2019 às 08h27
Atualizado em 26/09/2019 às 11h28
Oficiais de justiça e PMs cumprem reintegração de posse em Vila Velha. Crédito:    Fernando Madeira
Oficiais de justiça e PMs cumprem reintegração de posse em Vila Velha. Crédito: Fernando Madeira

Cerca de 150 famílias foram retiradas de uma fazenda em que haviam construído suas casas, na última quarta-feira (25), na Barra do Jucu, em Vila Velha, por oficiais de Justiça que cumpriam um mandado de reintegração de posse. A área, de 1,5 milhão de metros quadrados, estava ocupada desde 2017.

Não houve registro de confrontos, mas alguns dos ocupantes do terreno se desesperaram ao ver os barracos derrubados. A auxiliar de serviços gerais Maria Regiane mora no espaço há dois anos com três filhos e o marido, que está desempregado. "Agora estou numa situação que só Deus sabe, porque não tenho para onde ir. Tudo o que eu tinha era o barraco que foi quebrado", desabafou.

Já a dona do terreno, de 73 anos, relatou nos autos que já foi impedida de entrar no local pelos ocupantes. Ainda segundo o processo, a idosa contou que chegou a ter uma arma de fogo apontada em sua direção pelos moradores. As famílias negam a informação. 

A ação de reintegração de posse teve bastante repercussão entre os leitores do Gazeta Online. Confira alguns comentários: 

Isso é tão triste. Um direito a que todos deveriam ter acesso, e muitos não têm. Gostaria que os políticos que nos roubam fossem realizar essa reintegrações de posse, para que eles vissem o quanto tiram dessas pessoas. (Katia Baptista) 

Triste! Está tudo errado, cada vez mais errado... País de ninguém, onde a desigualdade social só aumenta e o direito do ser humano nunca nem vimos. Uma população trabalhadora explorada todos os dias, falta de emprego. Políticos ladrões e religiosos negociando a fé das pessoas. Gente ostentando o mundo e ao mesmo tempo outros orando por um pedaço de pão aos filhos. (Barbara Brizolara) 

A fazenda é privada, tem dono. O cara pagou por ela e tem o direito de ter cada centímetro de terra. Está errado jogar as famílias nas ruas? Sim, muito errado, porém o fazendeiro não tem nada a ver com a situação. Quem tem que tomar medidas são os políticos! (Carlos Passabão Rocette) 

É complicada uma situação dessas. De um lado os donos das terras, de outro esse povo que não tem para onde correr. E assistindo a isso tudo vemos os políticos. O prefeito está fazendo o quê? Para quem vai derrubar todos os quiosques, que se dane esse povo. Cadê o prefeito, os vereadores, os deputados? Município e Estado não têm dinheiro para realocar esse povo? E cadê a obrigação do Estado de dar guarda às pessoas? (Luis Alberto) 

Oficiais de justiça e PMs cumprem reintegração de posse em Vila Velha. Crédito:    Fernando Madeira
Oficiais de justiça e PMs cumprem reintegração de posse em Vila Velha. Crédito: Fernando Madeira

Complicado, viu! É triste? É triste... Porém as terras têm dono, é o dono pagou por elas. Só acho incrível esperar que 150 famílias invadam para depois desapropriá-las! (Winnie Silva) 

Velho hábito do brasileiro. Invade agora para ver o que dá depois. Está tudo errado. Primeiro: o que não é meu, eu não vou mexer. Foi isso que aprendi de berço. Segundo: o poder público é lento demais e demora a agir, então a coisa toma proporção. Terceiro: se não agir e dar solução imediata, no futuro vira favela, aí o problema está estabelecido de vez. Esse é o Brasil. (Fabio Boëchat Costa) 

Cadê a Constituição Federal, que nos assegura direito à moradia como direito de todos e dever do Estado? Se existem ocupações irregulares é porque o Estado não está fazendo sua parte. É fácil falar de quem está ocupando área irregular, mas se for prestar bastante atenção até quem critica não tem onde morar, porque infelizmente a distribuição de renda no nosso país é muito desigual. (Regina Alves) 

Não entendo. Se é particular, por que deixar a pessoa construir, gastar o que não tem, para depois desmanchar? Que sabedoria é essa da nossa Justiça que não age na hora certa? Sempre a mesma coisa: derrubam os barracos, e as famílias, para onde vão? (Elcy Oliveira) 

Muito triste! São pessoas! Crianças e adultos jogados agora na rua. Cadê a sensibilidade do governo? Direitos humanos? (Dayane Rosario) 

Houve alguma medida de redução dos danos causados pelo desalojamento em massa dessas pessoas? De quem é a responsabilidade? Força às famílias: vão precisar. (Joao Vitor Almeida) 

Muito triste, muita desigualdade social neste país. Enquanto muitos moram em mansões, outros não têm onde morar e nem o que comer. (Carla Spagnol) 

Um país que diz querer acabar com a população de moradores de ruas joga as pessoas na rua sem dó nem piedade. Na minha opinião, quando fossem fazer uma reintegração de posse, já deveria ter para onde levar essas famílias. Eles são seres humanos. Ali tem crianças, adultos e idosos. Que pais é esse, meu Deus? Que seres são esses que jogam seus próprios irmãos em Cristo na sarjeta? (Silvania Cunha) 

A Gazeta integra o

Saiba mais
barra do jucu vila velha

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.