ASSINE

Empresários pedem investimento em infraestrutura no ES

Setor produtivo também defendeu reforma da Previdência estadual e medidas nacionais como a simplificação tributária

Publicado em 27/10/2019 às 08h13
14 º Encontro de Lideranças da Rede Gazeta - palestra de Oscar Motomura. Crédito: Cacá Lima
14 º Encontro de Lideranças da Rede Gazeta - palestra de Oscar Motomura. Crédito: Cacá Lima

Espírito Santo tem uma situação fiscal invejável, que traz confiança, mas ainda tem um grande gargalo que trava investimentos privados: a infraestrutura. Essa é a avaliação de empresários capixabas, que se mostraram otimistas com a recuperação da economia nacional, mas pediram um olhar mais atento do poder público, sobretudo do governo federal, para problemas de infraestrutura locais.

Entre os desafios, eles pontuaram a necessidade de melhoria das nossas rodovias, portos mais eficientes e também a ferrovia que ligará Vitória ao Rio.

Durante o 14º Encontro de Lideranças Pedra Azul, realizado neste final de semana, representantes do setor produtivo capixaba também falaram da importância de avançar no debate de uma reforma da Previdência estadual e, em nível nacional, na aprovação de uma reforma tributária que simplifique o sistema.

Veja as principais declarações dos líderes empresariais durante o encontro

Léo de Castro, presidente da Federação das Indústrias do Espírito Santo, no Encontro de Lideranças. Crédito: Carlos Alberto Silva
Léo de Castro, presidente da Federação das Indústrias do Espírito Santo, no Encontro de Lideranças. Crédito: Carlos Alberto Silva

Léo de Castro

Presidente da Findes

"Há uma agenda pilotada pelo Ministério da Infraestrutura bastante assertiva, com resultados que já colhemos esse ano, e expectativa forte para o próximo ano, inclusive ações aqui no Espírito Santo, como a concessão da BR 262, a privatização ou concessão da Codesa, infraestrutura, novos leilões de petróleo, juro baixo, reformas sendo enfrentadas, tudo isso é muita potência para termos um bom 2020. Meu otimismo decorre desses fatos. "
Fernando Ronchi, presidente da Unimed Vitória, no Encontro de Lideranças. Crédito: Carlos Alberto Silva
Fernando Ronchi, presidente da Unimed Vitória, no Encontro de Lideranças. Crédito: Carlos Alberto Silva

Fernando Ronchi

Presidente da Unimed Vitória

"A gente vê um governo tentando implementar uma série de medidas para tornar a estrutura estatal mais leve e desburocratizar as empresas, mas isso ainda está em um processo muito lento. Tem que mudar a mentalidade política do país para abrir as portas para investimentos. Independentemente de onde venha, investimento gera emprego e riqueza. No Espírito Santo é preciso manter o cuidado fiscal. Hoje o Estado está classificado como nota A na gestão fiscal. Mas se ele não adotar medidas para fazer reforma na Previdência do governo e dos municípios em pouco tempo nosso Estado passará a ser deficitário. "
Nelson Saldanha, sócio-diretor da Cepemar, no Encontro de Lideranças. Crédito: Carlos Alberto Silva
Nelson Saldanha, sócio-diretor da Cepemar, no Encontro de Lideranças. Crédito: Carlos Alberto Silva

Nelson Saldanha

Sócio-diretor do Grupo Cepemar

"Nós criamos uma expectativa grande para 2019. Não conseguimos todas as metas que estavam previstas, mas estamos muito otimistas com os sinais de reformas e medidas que vem aí. Precisamos agora consolidar essas reformas nacionais para avançar mais. Tem também a questão do petróleo vazado no mar, agora, que precisamos enfrentar."
Presidente do Grupo Águia Branca, Renan Chieppe, no Encontro de Lideranças. Crédito: Carlos Alberto Silva
Presidente do Grupo Águia Branca, Renan Chieppe, no Encontro de Lideranças. Crédito: Carlos Alberto Silva

Renan Chieppe

Presidente do Grupo Águia Branca

"O Estado tem uma pendência muito grande de infraestrutura. A gente tem um problema de rodovias, com necessidade de investimentos nessa área, projetos na área de ferrovias para saírem do papel. Isso tudo ajuda a ancorar investimentos. O Estado como um todo vai bem, tem uma pontuação muito boa por ter disciplina fiscal, ele precisa de um pouquinho mais de apoio do governo federal para mostrar o que pode fazer, e isso sobretudo na infraestrutura."
Nailson Dala Bernadina, diretor do Sicoob, no Encontro de Lideranças. Crédito: Carlos Alberto Silva
Nailson Dala Bernadina, diretor do Sicoob, no Encontro de Lideranças. Crédito: Carlos Alberto Silva

Nailson Dalla Bernardina

Diretor executivo do Sicoob

"Estamos bem otimistas para 2020 porque a sociedade está conscientizada que precisamos avançar nas reformas que vão ser muito importantes para atrair investimentos no país e também no nosso Estado. Nós estamos muito confiantes com a responsabilidade das autoridades do Espírito Santo. Acredito que se não houver avanços nesta emenda da reforma da Previdência no nosso Estado, já vamos poder discutir a reforma aqui para continuar tendo essa condição favorável no ambiente fiscal e também que a gente consiga avançar na melhoria do ambiente de negócios que contribua para os avanços de obras de infraestrutura tão necessárias para o Espírito Santo."
Leonardo Conde, analista de Relações Institucionais da Suzano, no Encontro de Lideranças. Crédito: Carlos Alberto Silva
Leonardo Conde, analista de Relações Institucionais da Suzano, no Encontro de Lideranças. Crédito: Carlos Alberto Silva

Leonardo Conde

Analista de Relações Institucionais da Suzano

"A gente inicia o ano com cautela por causa do cenário econômico. Agora com aprovação da reforma da Previdência a gente consegue ter um cenário de mais otimismo para o país e a gente acredita nisso, no potencial do Brasil. Estamos confiantes que o cenário internacional melhore também e que tenhamos um ano melhor para o nosso setor de celulose."
Paulo Wanick, diretor de Finanças, Riscos & Tecnologia da Informação da ArcelorMittal, no Encontro de Lideranças. Crédito: Carlos Alberto Silva
Paulo Wanick, diretor de Finanças, Riscos & Tecnologia da Informação da ArcelorMittal, no Encontro de Lideranças. Crédito: Carlos Alberto Silva

Paulo Wanick

Diretor de Finanças, Riscos & Tecnologia da Informação da ArcelorMittal

"A gente entra em 2020 com muito otimismo após a aprovação da reforma da Previdência e já iniciando a discussão de uma reforma Tributária, que é importante. Acho que o mercado doméstico vai começar a se ajustar ao longo dos meses. Com isso, o ano deve gerar um cenário positivo de consumo no país, que está com a inflação dominada e juros baixos. A questão é, vamos ter produtos para entregar?"
Carlos André Santos de Oliveira, superintendente da OCB/Sescoop, no Encontro de Lideranças. Crédito: Carlos Alberto Silva
Carlos André Santos de Oliveira, superintendente da OCB/Sescoop, no Encontro de Lideranças. Crédito: Carlos Alberto Silva

Carlos André Santos de Oliveira

Superintendente da Organização das Cooperativas Brasileiras do Espírito Santo (OCB/ES)

"Na opinião do cooperativismo o ano poderia ter sido melhor e as reformas poderiam ter sido realizadas de forma mais ágil. Agora ficamos na expectativa pela aprovação da minirreforma Tributária e também a reforma do Estado. Precisamos também destravar as reformas nacionais para crescer no Espírito Santo e continuar de olho no ajuste fiscal. Julgamos ser muito importante que o governador mantenha responsabilidade herdada do governo anterior, que já está mantendo. Investimento sim, mas preocupado com o custeio. Se seguir na linha de aumentar investimento, sobretudo em infraestrutura, e reduzir custeio temos uma expectativa muito positiva."
João Falqueto, presidente da Associação Capixaba de Supermercados (Acaps), no Encontro de Lideranças. Crédito: Carlos Alberto Silva
João Falqueto, presidente da Associação Capixaba de Supermercados (Acaps), no Encontro de Lideranças. Crédito: Carlos Alberto Silva

João Falqueto

Presidente da Associação Capixaba de Supermercados (Acaps)

"A reforma Tributária é essencial para o setor de varejo. Como o governador disse, as multas têm função de educar e não arrecadar. E esperamos que isso mude. Hoje nós temos mais de 10% da nossa equipe de escritório para dar conta das obrigações, atender a legislação e burocracia. E isso torna o produto mais caro para o consumidor. Estamos trabalhando e esperamos que a reforma simplifique isso. Para o Espírito Santo, o projeto que muda as multas que foi enviado pelo governo para a Assembleia é uma preocupação do setor e que também vai dar mais segurança para novos investimentos no Estado."
Jorge Nicchio, presidente do Centro de Comércio de Café de Vitória, no Encontro de Lideranças. Crédito: Carlos Alberto Silva
Jorge Nicchio, presidente do Centro de Comércio de Café de Vitória, no Encontro de Lideranças. Crédito: Carlos Alberto Silva

Jorge Nicchio

Presidente do Centro do Comércio do Café de Vitória (CCCV)

"Nós do setor de café temos o sonho de ter um porto eficiente, de águas profundas, que possa levar o nosso café daqui para o destino final: Europa, EUA e Ásia. E para isso precisamos de um porto assim. Temos alguns projetos assim no Estado e cremos que brevemente teremos algum com a pedra fundamental mesmo, e se tornando realidade em 3 ou 4 anos. Em infraestrutura, também tem as rodovias, como a BR 262, que liga o Estado a Minas Gerais, o maior produtor de café do Brasil. A produção de café de Minas poderia escoar por aqui e exportar por aqui, mas falta boa rodovia e um porto mais eficiente."

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.