ASSINE

Na folia, armadilhas contra o consumidor entram na avenida

Foliões são alvos de fraudes no cartão de crédito e também de falsos pacotes de viagens

Publicado em 25/02/2019 às 23h44
Bloco de carnaval: folião tem de ficar atento para os riscos de cair em golpes. Crédito: Bernardo Coutinho
Bloco de carnaval: folião tem de ficar atento para os riscos de cair em golpes. Crédito: Bernardo Coutinho

O carnaval está chegando, mas nem tudo na festa é alegria. A prova disso é que várias instituições de defesa do consumidor estão alertando os foliões a tomarem cuidado com golpes comuns nesta época do ano. De fraudes com cartões de crédito a pegadinha do bilhete premiado, golpistas agem nessa época para se dar bem em cima dos foliões.

Entre as trapaças mais aplicadas durante o período, estão pacotes de viagem falsos e aluguéis de imóveis fraudulentos, como explica a delegada Rhaiana Bremenkamp, titular da Delegacia Especializada de Crimes de Defraudações e Falsificações (Defa). “Acontecem muitos casos de pessoas que marcam viagens em determinada agência e quando vão ver não existe passagem, hospedagem marcada e acabam ficando no prejuízo”, ressaltou a delegada.

A diretora-presidente do Procon Estadual, Lana Lages, alerta também para que os consumidores fiquem atentos antes de alugar imóveis por temporada. “Quando o consumidor vai procurar uma agência de turismo, uma pousada ou hotel, tem que notar principalmente se esses locais são idôneos. O consumidor tem que pedir que informações importantes constem em contrato, porque caso alguma cláusula não seja cumprida ele poderá fazer uma reclamação”, esclareceu Lana.

PESQUISA

O jornalista Matheus Alvarenga, 23 anos, vai viajar para a Bahia no feriado. Mas antes de escolher o destino, ele procurou saber todas as informações necessárias para não cair em nenhum golpe e cair numa furada.

“Procuro sempre por aplicativo de aluguel de casas que já são credenciados e tem um certo tipo de fiscalização. Nunca alugo casas por grupos de redes sociais ou diretamente com o proprietário se essa pessoa for desconhecida. Faço assim porque vou ter algum respaldo caso algo aconteça”, disse Matheus.

Além dessa modalidade, os criminosos têm inovado na hora de enganar o consumidor, como é o caso do golpe do cartão de crédito. A Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) emitiu um alerta neste mês sobre essa nova categoria de fraude que já tem feito vítimas nos blocos de carnaval.

A delegada Rhaiana Bremenkamp explica que o golpe é praticado quando o consumidor desatento faz compras com cartão e não percebe a movimentação do vendedor, que pode levá-lo para outro local e fazer operações fraudulentas.

Rhaiana explica que, no carnaval, as pessoas fazem uso de bebidas alcoólicas e acabam não ficando muito atentas a alguns tipos de golpes, o que facilita a ação de criminosos.

BLOCOS

O estudante Caio Mendes, 20 anos, conta que antes de sair para curtir os blocos na rua com os amigos, também fica atento com possíveis golpes. “Sempre chamo meus amigos para irmos juntos e procuro sempre blocos organizados pela prefeitura para evitar problemas. Se não for assim, o que era para ser uma festa pode virar uma dor de cabeça maior”, destacou.

Caso o consumidor caia em algum golpe e se sinta lesado, o Procon deve ser procurado - em situações de relações de consumo - para que o caso seja resolvido, conforme explica Lana. “O consumidor pode procurar o Procon e registrar uma reclamação e deve procurar também a Delegacia de Defesa do Consumidor, que é mais especializada em crimes”, disse a diretora-presidente. Registrar um boletim de ocorrência também é importante.

Lana afirma ainda que se houver descumprimento de cláusulas acordadas em contrato entre o consumidor e o estabelecimento, o Procon pode notificar a empresa para que compareça ao órgão para fazer um acordo com o cliente. Caso o acordo não aconteça, uma multa pode ser aplicada.

A delegada Rhaiana lembra que, além das fraudes de carnaval, os criminosos usam outros artifícios até bastante conhecidos como meio de arrecadar dinheiro nesta época. “Existem ocorrências não direcionados ao carnaval, como o golpe do bilhete premiado. Isso acontece quando o criminoso quer arrecadar valores para curtir as festas, mas não está diretamente ligado ao carnaval”, destacou.

SAIBA COMO SE PROTEGER

Pacotes de viagem

O consumidor deve buscar referências sobre o destino com conhecidos que já tenham feito o roteiro da viagem para saber mais informações. Na hora de contratar o serviço, empresas especializadas devem ser procuradas. O folião precisa ainda comparar as condições ofertadas e escolher a que mais o agrada, como passeios e atividades, bem como as condições de passagens aéreas e rodoviárias. O comprador deve pedir para que todas as informações estejam previstas em cláusulas contratuais.

Hospedagens

Antes de fechar o contrato de aluguel de uma casa por temporada ou quarto em hotel, o folião deve buscar o maior número de informações, com conhecidos e até em sites especializados em avaliações. O consumidor deve ficar atento ao contrato para saber ao que tem direito, como café da manhã, e pelo que deve zelar para evitar rompimento de alguma cláusula. Além disso, tem que exigir algum tipo de confirmação do aluguel junto ao hotel ou locador do imóvel.

Golpe do cartão e da nota falsa

Nos dois casos, o consumidor tem que ficar atento. Em relação ao cartão, é preciso tê-lo sempre à vista dos olhos e pedir que a transação não seja feita em um lugar afastado. Ao receber o cartão, o folião deve verificar se é o que realmente lhe pertence. Em relação a notas falsas, deve-se conferir a cédula que passa para o vendedor e a que é recebida, bem como se o troco está correto.

Ingressos

Durante o carnaval, aumenta a quantidade de festas e shows. Mas o folião tem que pesquisar antes de comprar as entradas, que devem ser adquiridas em locais oficiais e ter a autenticidade conferida. Para se resguardar, os anúncios e divulgações devem ser arquivados como prova. Além disso, a cobraça das taxas de conveniência e consumação são proíbidas. O comprador precisa verificar quais são os serviços e produtos anunciados nos eventos e conferir se foram disponibilizados. Quanto a abadás, o regulamento precisa ser consultado para saber quais customizações podem ser feitas.

Produtos

Na compra de fantasias e outros produtos, deve-se observar características, como têxteis e composição, além do tratamento e cuidado com a conservação dos mesmos. Os produtos não podem ser fabricados com materiais de fácil combustão. No caso de spray de cabelo, buzina, serpentina e corneta, o folião deve conferir se apresentam algum produto tóxico que pode causar algum risco à saúde. Em todos os casos, o item deve ter o selo do Inmetro para comprovar a segurança e procedência do item.

A Gazeta integra o

Saiba mais
carnaval economia

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.