ASSINE

Não deixe o horário de verão afetar você

Neste domingo (4), 1º dia do Enem, será uma hora a menos no relógio

Publicado em 02/11/2018 às 20h29
Victor e Isadora vão prestar o Enem e ouviram dicas da coordenadora Michele. Crédito: Divulgação/Thaysa Bretz Pizzolato
Victor e Isadora vão prestar o Enem e ouviram dicas da coordenadora Michele. Crédito: Divulgação/Thaysa Bretz Pizzolato

Nas últimas semanas, alguns relógios de computadores e smartphones já se adiantaram. Mas agora é oficial! O horário de verão começa neste domingo. Gostando ou não, é inegável que ele mexe com algumas pessoas.

A maioria que reclama é porque tem dificuldades de adaptar o sono. Mas este ano um outro grupo não está muito contente com o horário de verão: os candidatos do Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem.

O exame também começa amanhã. E a mudança virou motivo de preocupação extra para os estudantes. “É mais um fator para trazer ansiedade”, aponta Isadora Policeni Zenkner, 16 anos, aluna do 2º ano que vai tentar o Enem como treineira.

No colégio dela, a orientação dos professores foi redobrar a atenção em relação ao novo horário. “Diariamente a gente tem falado disso. Pedimos que se planejem, que durmam mais cedo hoje e que já façam um ajuste nos relógios. Com organização, isso se resolve da melhor forma”, recomenda a coordenadora do Ensino Médio, Michele Riva Faria.

O estudante Victor Edas Lopes, 17 anos, do 3º ano, vai seguir as dicas. Mas prefere ser ainda mais prudente: “Vou deixar os relógios ajustados antes de o horário de verão começar a vigorar. Como não confio só no celular, vou alterar todos os relógios da casa e o de pulso”, comenta ele.

Toda preparação é válida, segundo a médica pneumologista e especialista em medicina do sono Jéssica Polese. “Eles terão uma hora a menos de sono no dia do exame. Como a prova é às 13 horas, o ideal é almoçar por volta de 11 horas. Mas no novo horário, o almoço será às 10h”, aponta.

Essa quebra na rotina, observa a médica, atrapalha muito. “Gera transtornos no organismo. Os candidatos podem sentir sono, fadiga no período da tarde”. E não tem muito o que fazer. A dica para a véspera do Enem é ir para a cama mais cedo.

De um modo geral, segundo Jéssica Polese, o início do horário de verão traz mais efeitos do que o término dele. “O pior é a primeira semana. Tem gente que leva 15 dias para se adaptar. Mas há pessoas mais sensíveis que sofrem o horário de verão inteiro, que têm até problemas gástricos”.

O jeito é esperar que o organismo se acostume. “Não adianta ficar mais na cama de manhã ou tirar cochilo à tarde. Isso pode atrapalhar o sono à noite”, afirma a especialista.

EXERCÍCIOS

Carla Rodrigues Ferreira, advogada e professora universitária, não deixa o horário de verão afetar a malhação. Crédito: Arquivo pessoal
Carla Rodrigues Ferreira, advogada e professora universitária, não deixa o horário de verão afetar a malhação. Crédito: Arquivo pessoal

Quem tem por hábito se exercitar bem cedo, nas primeiras horas da manhã, vai ter que encontrar coragem para sair da cama ainda no escuro.

“O corpo não entende bem a mudança, já que nossos hábitos acabam se adiantando. Você toma café uma hora mais cedo, almoça mais cedo, treina mais cedo, e por aí vai até a hora de dormir. O seu corpo ainda está adaptado ao horário anterior e, de repente, vê tudo antecipado. Imagine só a confusão que isso causa”, comenta o educador físico Jhonny Costa.

A advogada e professora universitária Carla Rodrigues Ferreira, 39 anos, vai para a academia todos os dias às 6 horas. Ela sabe que precisa de uma dose de energia a mais nesse período. “Não é fácil. O corpo sente.

Todo ano passo pela mesma coisa. Mas acho que a dica é ter disciplina. Na noite anterior, já separo minha roupa de academia, tênis e meia. Quando acordo, me preparo e saio. Não deixo a preguiça dominar”, conta.

Essa dose extra de energia pode vir até da alimentação matutina. “Acho legal recorrer a alimentos que tenham efeitos estimulantes, incluindo café ou chás estimulantes, além de alimentos termogênicos, como gengibre e canela”, sugere a nutricionista Beatriz Gáudio.

“Quem treina pela manhã, nos primeiros dias sente muito mais porque, quando acordamos, ainda estamos lentos, a adrenalina ainda está com baixa produção e o rendimento cai”, observa Jhonny. Ele lembra que o exercício físico é primordial para tratar e melhorar os efeitos do jet lag, que é a descompensação horária.

Para estudantes

Sono em dia

Para quem vai prestar o Enem, a dica é dormir mais cedo na véspera da prova, já que terá uma hora a menos de sono. O candidato não deve estudar até de madrugada. Melhor é repassar o conteúdo pela manhã, antes da prova, que será às 13h

Relógios ajustados

Uma dica é configurar manualmente o relógio do smartphone para o novo horário já neste sábado. Se não confiar no aparelho, vale apostar em relógios analógicos mesmo. Isso dará mais segurança e menos chance de atrasos

Adaptação

Para driblar o sono

Expor-se ao sol durante a manhã ajuda a eliminar o sono, mas evite os raios solares e a luminosidade após às 18h. Se neste horário você estiver na rua, coloque um óculos escuro. Se estiver em casa, feche as cortinas

Evite cochilos

Nos primeiros dias do horário de verão, evite cochilar depois do almoço. Isto pode prejudicar seu sono à noite

Faça exercícios

O exercício físico é uma boa forma de tratar e melhorar os efeitos do jet lag, que é a descompensação horária

Trocas alimentares

De manhã, como ainda estará escuro, inclua alimentos estimulantes, como café ou chá, canela e gengibre

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.