A aromaterapia pode te ajudar a aliviar o estresse e a ansiedade na quarentena

Utilizada como terapia complementar no SUS, a prática que tem como base os óleos essenciais faz cada vez mais sucesso. Especialista explica como funciona a aromaterapia e dá dicas para os iniciantes neste universo

Publicado em 18/06/2020 às 09h00
Atualizado em 18/06/2020 às 09h01
mulher em procedimento de aromaterapia
O combate à insônia também está entre os benefícios da aromaterapia. Crédito: Freepik

Em um momento de tantas incertezas, é comum que ansiedade e o estresse estejam mais intensos. Por isso, a busca por atividades que possam ajudar a controlar essa montanha-russa de emoções só aumenta. Há quem opte por yoga, meditação e exercícios físicos, mas as opções não param por aí.

As chamadas terapias alternativas são ótimas aliadas para o corpo e para a mente. Para quem quer acalmar os ânimos nessa quarentena, a dica é investir em aromas que prometem mudar o seu humor a partir das propriedades de óleos essenciais. A aromaterapia possui inúmeros benefícios para o corpo e para saúde mental, entre eles o auxílio no controle da ansiedade, depressão e insônia.

Para entender melhor seus benefícios, conversamos com Valdete Pereira, técnica em estética e graduada em Gestão de Saúde Pública, ela atua como esteticista em Colatina há mais de 20 anos. A profissional conta que a aromaterapia sempre esteve presente em seu trabalho, mas passou a dedicar-se mais e se especializar na área há três anos.

A profissional explica que aromaterapia é uma prática de bem-estar e equilíbrio integral através dos aromas da natureza, que são os óleos essenciais. “A ciência existe há milhares de anos e atualmente está mais em evidência. Além disso, ela faz parte das terapias complementares de saúde no SUS desde 2018”, diz Valdete.

Valdete Pereira

Esteticista e especialista em aromaterapia

"Os óleos essenciais possuem princípios ativos e substâncias orgânicas que atuam no nosso corpo, harmonizando e equilibrando o físico, o mental e o emocional"

“Quando inalamos o aroma dos óleos essenciais, as moléculas aromáticas presentes neles chegam até o nosso sistema límbico - responsável por nossas emoções e funções de aprendizado e memória - por meio dos receptores olfativos. O sistema límbico recebe a moléculas e repassa para o nosso sistema nervoso, influenciando nosso humor e estado emocional. A partir daí, as moléculas dos óleos essenciais vão atuar em todo o nosso organismo, produzindo os efeitos físicos”, complementa.

A parte da aromaterapia que ajuda a reduzir o estresse a ansiedade intensificados pela pandemia são os óleos essenciais com propriedades relaxantes e calmantes. “Os óleos essenciais possuem princípios ativos e substâncias orgânicas que atuam no nosso corpo, harmonizando e equilibrando o físico, o mental e o emocional, atenuando o estresse, a depressão, a insônia e a ansiedade”, afirma a profissional.

Como aderir à aromaterapia

óleos essenciais
Óleos essenciais já diluídos e prontos para usar na pele são os mais indicados para iniciantes. Crédito: Freepik

A aromaterapia pode ser usada de várias formas. Segundo a esteticista, as mais tradicionais são:

  • Aromatização de ambientes; 
  • Aromatizador pessoal (colar aromático);
  • Pela via cutânea ou uso tópico - através de massagens e aplicações de óleos essenciais diluídos em óleos vegetais ou cremes neutros na pele;
  • Escalda-pés e banhos de banheira.

“Existe uma imensa variedade de óleos essenciais com efeitos relaxantes e calmantes, mas sempre indico o óleo essencial de Lavanda Francesa - ou Lavandula Angustifolia. É o mais querido e conhecido mundialmente, um óleo essencial bem acessível e fácil de encontrar em farmácias, lojas e sites de produtos naturais”, destaca Valdete.

Algumas marcas comercializam “blends”, que são uma mistura de vários óleos essenciais com a mesma finalidade e que fazem uma sinergia agradável e bem potente para aromatização de ambientes. Existem também óleos essenciais já diluídos e prontos para usar na pele. "Tanto os Blends quanto os óleos essenciais diluídos facilitam o uso para pessoas que são leigas no uso da aromaterapia”, acrescenta a especialista.

De acordo com a profissional, é sempre importante lembrar que os óleos essenciais são compostos voláteis concentrados e extraídos de partes de plantas aromáticas. Eles não devem ser confundidos com as essências, que são artificiais. Para te ajudar a saber se está adquirindo o produto certo, a dica de Valdete é conferir sempre se o óleo traz seu nome científico internacional no rótulo.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.