ASSINE

Máscaras infantis misturam proteção e brincadeira

Fazer as crianças usarem este acessório é essencial, mas pode ser um grande desafio. Foi pensando nisso que uma empresa capixaba decidiu investir em máscaras de personagens e super-heróis que incentivam os pequenos a não tirá-las mais

Publicado em 02/06/2020 às 15h21
Máscaras de personagens
As máscaras de personagens ajudam os pais e responsáveis a convencer os pequenos a usar a peça. Crédito: Divulgação

Com o avanço da pandemia de Covid-19, a recomendação é usar máscaras todas as vezes em que for necessário sair de casa. Com isso, os pais e responsáveis encontraram um novo desafio: fazer os pequenos obedecerem a recomendação. E se os adultos já se sentem incomodados com o “acessório”, imagine as crianças.

A administradora Letícia Viana explica que enfrentou dificuldades para convencer a filha Maria Júlia, de 8 anos, a aderir ao acessório. “Ela sempre reclamava que dificultava a respiração e detestava usar. Precisei comprar algumas opções com estampas que ela gosta pra conseguir fazer com que ela simpatizasse mais com o uso das máscaras”, conta Letícia.

Essa situação não ocorre apenas com a Maria Júlia, fazer as crianças utilizarem máscaras é um desafio e tanto neste momento em que o item é tão importante para a saúde. Para dar uma “mãozinha” aos pais e responsáveis nessa missão, a empresa “Teatro & Fantasias” começou a confeccionar máscaras divertidas para crianças.

Juliana Miranda é vendedora da empresa responsável e explica que o empreendimento atua no ramo há 10 anos. Como não estão acontecendo festas e nem eventos, a solução foi investir no acessório e misturar proteção e brincadeira. “Percebemos que as crianças têm dificuldade de usar as máscaras comuns, porque incomoda. Mas quando elas podem se transformar em seus personagens e super-heróis favoritos, tudo muda. Elas estão curtindo tanto que algumas querem usar até dentro de casa”.

“O ritmo está a todo vapor, e estamos tomando todos os cuidados necessários no nosso atendimento e nas nossas entregas”, complementa Juliana.

'Feedback' positivo

Luan e Júlia Zago.
Luan e Júlia Zago, ambos de 3 anos, são clientes de Fernanda e se divertem com as máscaras que escolheram. Crédito: Divulgação

Fernanda Castilho

Publicitária e revendedora das máscaras

"Muitos pais reclamavam que os filhos não queriam usar máscaras e agora não querem mais tirar"

As vendas das máscaras só crescem e caíram como uma luva no negócio de Fernanda Castilho, publicitária que revende os acessórios. “Tenho uma loja virtual de camisetas para crianças. Estava sem vender uma peça desde março, quando começou a pandemia. A equipe do Teatro Fantasia me procurou pra fazer a parceria e topei na hora”, conta ela.

Segundo Fernanda, a adesão do público tem sido superpositiva e ela recebe constantes mensagens de clientes satisfeitos com o investimento. “Muitos pais reclamavam que os filhos não queriam usar máscaras e agora não querem mais tirar”, diz.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.