Evasão escolar: "Governo deve fortalecer ensino técnico", diz leitor

Espírito Santo aparece em 1º lugar no Sudeste, com mais de 50 mil crianças e adolescentes sem acesso à educação. No Facebook, internautas comentaram esse triste cenário

Publicado em 12/03/2018 às 12h51

O Espírito Santo aparece em primeiro lugar no Sudeste no ranking de crianças e adolescentes fora da escola, na faixa de 4 a 17 anos. São mais de 50 mil meninos e meninas sem acesso à educação. Os dados foram recém-divulgados pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), com base em um levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2015.

No Facebook do Gazeta Online, os leitores comentaram esse triste cenário. Para muitos deles, o fato de muitos adolescentes terem que trabalhar para ajudar na renda familiar é um dos causadores desse problema, agravado por métodos de ensino arcaicos e falta de escolas.

Confira alguns comentários: 

Muitos alunos nessa faixa etária precisam trabalhar para ajudar a família. A opção que eles tinham era o ensino noturno, que o governo fechou, infelizmente. E não adianta dizer que não podem trabalhar, pois quando o estômago ronca de fome, não há conhecimento que vá aquietá-lo.

Rita Sacht

Enquanto a educação se resumir em lista de presença e provas, não mudará em nada. Faltam incentivos motivacionais para que o aluno queira e lute para manter sua vaga.

Alfredo Filho

O número de escolas de nível médio é bem menor que as de ensino fundamental. Nessa faixa etária, também é o início dos jovens e famílias pensarem que trabalhar é melhor que estudar. Em vez de ter investido tanto em Fies e Prouni para ampliar universidade particular, o governo federal tinha que fortalecer os ensinos médio e técnico por meio de bolsas de estudo.

Lucia Bezerra

Escola integral do Hartung que tirou a escola do bairro do estudante e levou para um lugar só.

Andre L. Vellani Prudencio

E vão continuar abandonando, caso o método de ensino e as condições não melhorem! Olha se na rede privada de educação existe isso! Políticas públicas para educação deixam a desejar quando a desigualdade começa no modo educacional!

Dani P. Xavier

Isso é reflexo de um Estado em que seu representante fecha escolas de ensino médio, tem profissionais em regime de contratação temporária. E, infelizmente, há falta de perspectiva destes jovens neste modelo de sociedade consumista e imediatista.

Claudio Luiz Fernandes Barboza

O método de ensino é arcaico, mas não exclusivo de escola pública. Tenho a impressão de que muitos pais deixam os filhos fazerem o que entenderem. “Não quer, não vai”. O governo falta com o seu papel, mas a educação e a instrução começam em casa, mas é claro que um diploma não define caráter.

Josimar Barbosa

O problema todo é que cada vez mais cedo alguns meninos começam a trabalhar pra ajudar em casa.

Isabel Costa Vidigal

Só eu sei a falta que o estudo faz. Acordei a tempo, depois de 27 anos, e voltei. Não está fácil, mas eu vou conseguir, se Deus quiser.

Rose Gilmar Menegucê

educação espírito santo espírito santo

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.