Plantar é viver: mutirão de reflorestamento marcou a história de Colatina

Realizado desde 2013, o evento plantou 10 mil mudas em áreas da cidade. Para manter o legado, edição 2020 acontece respeitando as medidas de distanciamento social

Publicado em 25/09/2020 às 19h26
Plantio
Plantio . Crédito: Acervo

Um ditado popular afirma que antes de morrer a pessoa deve plantar uma árvore. Imagine então plantar 10 mil árvores em apenas sete anos de vida. É isso que faz o projeto “Plantar é viver”. Realizado anualmente, pela TV Gazeta Noroeste, o evento promove um mutirão para reflorestamento de áreas de Colatina e já alcançou esse expressivo número, deixando um legado para a história do município. Apesar disso, o projeto segue firme com seu propósito, se comprometendo a manter firme o seu propósito mesmo em um ano de dificuldades.

Mais do que isso, não basta plantar, todas mudas são cuidadas e acompanhadas de perto por alguns anos. É tradição no calendário de Colatina comemorar o Dia da Árvore com as ações do projeto.

mudas
Recebendo mudas. Crédito: Acervo

Além do plantio de árvores, tradicionalmente o projeto também promove jogos, brincadeiras e até pinturas de rosto para os baixinhos que colaboram para semear o futuro. Mas em 2020, em função da pandemia do novo coronavírus, o “Plantar é Viver” vai acontecer de forma diferente, sem aglomeração, mas mantendo o seu compromisso e a sua essência de buscar uma cidade melhor e “mais verde” para todos.

Para celebrar a data e cuidar do meio ambiente sem deixar os cuidados com a saúde de lado, neste sábado (26) será realizado plantio de 200 mudas de árvores à beira do Rio Baunilha, em Colatina.

Esse ano, o grande público que sempre abrilhantou as edições do projeto não vai poder acompanhar presencialmente o plantio das mudas. Serão pouquíssimas pessoas participando da ação, com distanciamento social e todos os protocolos de saúde e segurança para evitar o contágio do coronavírus.

Mas o projeto não vai ficar só no reflorestamento. O “Plantar é Viver” vai disponibilizar conteúdos informativos sobre como cuidar do meio ambiente com a participação de especialistas da área. Além disso, uma live também vai acompanhar as ações de plantio.

Realizado desde 2013, com atuação em diversas áreas de Colatina, o “Plantar é Viver” também já criou raízes no coração e na memória dos colatinenses que tiveram a oportunidade de participar de alguma edição.

CRIANÇAS
Crianças plantando. Crédito: JOAO KIRMSE

IMPORTÂNCIA DE DEBATER E REFLORESTAR

Neste momento, em que as queimadas no Pantanal dominam o debate nacional, iniciativas como o “Plantar é Viver”, se tornam ainda mais importantes.

Para se ter uma ideia, antes do fim do mês de setembro, o Pantanal já registra o número mensal mais alto de focos de incêndio desde o início da série histórica do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), em 1998: foram 6.048 pontos de queimadas registrados no bioma desde o dia 1º de setembro até quarta-feira (23), o dado mais recente. O recorde mensal anterior era de agosto de 2005, quando houve 5.993 focos de incêndio no bioma.

Em comparação a 2019, quando setembro teve 2.887 focos detectados em 30 dias, o mesmo mês de 2020 já apresenta uma alta de 109%. O número de focos neste mês está 211% acima da média histórica do Inpe para setembro, que é de 1.944 pontos de incêndio.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.