ASSINE

Combate ao coronavírus será caótico com saída de Mandetta, avaliam especialistas

Profissionais das áreas de saúde e política projetam um cenário catastrófico na condução das medidas de enfrentamento à pandemia no Brasil com a saída do ministro da Saúde

Publicado em 16/04/2020 às 12h24
Atualizado em 16/04/2020 às 19h05
Ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta
O Ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta foi demitido na tarde desta quinta-feira (16). Crédito: Jose Dias/PR

O descompasso entre o Ministério da Saúde e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), observado há algumas semanas, ganhou novas proporções nos últimos dias. Na tarde desta quinta-feira (16), o ministro Luiz Henrique Mandetta anunciou em sua rede social que foi demitido do comando da pasta. O médico oncologista e empresário do setor da saúde, Nelson Teich, deve ser o substituto. 

Com as mudanças no Ministério da Saúde, reflexos no cenário político do país e também nas medidas de enfrentamento ao novo coronavírus são esperadas. E a expectativa não é positiva.

Especialistas da área de saúde temem um enfraquecimento das estratégias de saúde pública, como o isolamento social, e o consequente aumento de casos e mortes pelo novo coronavírus em todo o país. Para cientistas políticos, a troca de comando do Ministério pode agravar a crise política e levar a uma grande "tragédia" no sistema de saúde. A reportagem ouviu os analistas antes da confirmação da demissão do ministro Luiz Henrique Mandetta. 

Os embates entre o presidente e o ministro da Saúde começaram de forma tímida. Mandetta até tentou adotar um tom mais técnico, sem comentar a postura adotada por Bolsonaro diante da pandemia. Contudo, após o presidente vir a público e defender o fim do isolamento social, incentivando as pessoas a voltarem para rua, o ministro da Saúde adotou uma postura crítica, dizendo que as orientações a serem seguidas deveriam ser basear na Organização Mundial de Saúde (OMS).

As críticas de Mandetta não foram bem vistas por Bolsonaro, que chegou a dizer que faltava humildade no ministro. O presidente também ameaçou "usar a caneta" contra pessoas do governo que viraram estrelas, se referindo ao ministro da Saúde, que viu crescer o apoio popular diante das ações tomadas durante a pandemia. 

A professora e pós-doutora em epidemiologia Ethel Maciel analisa o dissenso nos discursos do presidente e do Ministério da Saúde como um fator que enfraquece as medidas atuais no enfrentamento à pandemia. De acordo com ela, a falta de uma narrativa unificada nos governos, o que tem exposto as pessoas ao contágio.

Ethel Maciel 

Professora e Pós-doutora em Epidemiologia

"Essa guerra de narrativas entre governos, federal e estadual, mediada pelo Ministério da Saúde, chegou a um ponto que a opinião pública se questiona como se comportar. A gente viu aqui no Espírito Santo que, após a fala do presidente defendendo o fim do isolamento social, houve um aumento de pessoas nas ruas e de casos confirmados. Isso é preocupante porque você cria uma guerra política em um momento que exige um direcionamento e foco nas ações de combate a um inimigo comum, um vírus que não respeita fronteiras, classe social e não tem partido"

Para o doutor em doenças infecciosas Crispim Cerutti, além de uma mudança na estratégia no combate ao coronavírus, a troca de equipe no Ministério da Saúde pode levar ao rompimento no diálogo com Estados e secretarias.

"A gente tem observado uma interlocução entre o Ministério da Saúde e as secretarias de Estado desde o início. Tem sido feito um trabalho eficiente de gestão, levando em conta as especificidades de cada local no Brasil. Toda essa articulação fica comprometida quando você interrompe o trabalho do Ministério da Saúde. Você não sabe como uma nova gestão operaria isso, se vai ter diálogo e principalmente sensibilidade para as nuances do vírus em cada Estado", declarou. 

CENÁRIO POLÍTICO DESASTROSO

Os cientistas políticos João Gualberto Vasconcellos e Paulo Baía veem a troca de equipe do Ministério da Saúde como um cenário já desenhado e efeito da crise política vivida pelo país. Ambos projetam um cenário desastroso na política brasileira diante do combate ao novo coronavírus. 

João Gualberto

Cientista político

"Em um momento que a sociedade precisa dos médicos, o governo não dialoga com a classe médica. Nós estamos caminhando na contramão do mundo. A curto prazo, as consequências vão ser as mais graves possíveis. Além de causar ainda mais instabilidade política, vai produzir um enorme descrédito para o governo, que já está sendo isolado. A esta altura, uma manobra como esta só reforça um cenário de tragédia"

O professor e cientista político Paulo Baía não vê mudanças na crise política do país, que já se reflete em todos os Poderes. Para ele, independentemente da postura do ministro que assumir o cargo, o embate de enfrentamento continuará polarizado. 

"O novo ministro vai continuar lidando com o choque do que o presidente quer e o que dizem as autoridades de saúde como a OMS. A crise política não vai acabar. Se houver um alinhamento de ações do Ministério da Saúde com o presidente, continuará havendo enfrentamento de discursos, do que é técnico e defendido pelos Estados e o do presidente.  A única forma de sair disso é uma mudança de postura do presidente, o que não creio que acontecerá. Essa crise vai continuar, agravando os impactos da pandemia tanto do ponto de vista da saúde pública, quanto política e econômica."

BOLSONARO SE ESPELHA EM TRUMP

Ao colecionar inimigos dentro do seu próprio governo, durante o enfrentamento da pandemia, Bolsonaro imita a postura adotada pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. No país norte-americano, Trump tem adotado um discurso contrário ao do médico conselheiro da Casa Branca, Anthony Fauci, que defende medidas baseadas nas orientações da Organização Mundial da Saúde, como o isolamento social. 

25/09/2019 - Nova York - EUA - Em encontro rápido, Trump cumprimentou e elogiou discurso de Bolsonaro, na abertura da Assembleia-Geral da ONU, em Nova York
Bolsonaro tem seguido discurso de Trump de combate a pandemia do coronavírus . Crédito: Alan Santos/PR/Flickr

A demissão de Fauci também tem sido especulada pela mídia americana nas últimas semanas. Trump chegou a retuitar uma mensagem com conteúdo de apoio à demissão do médico. Na manhã desta quarta-feira (15), Bolsonaro também usou as redes sociais para compartilhar um vídeo que critica o isolamento social e a atuação do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.