ASSINE

Guerra do tráfico em Andorinhas: PM faz cerco e diz que não terá diálogo

Na manhã desta segunda-feira (3), cinco dias após a polícia prender Rhaony Hansen Cordeiro Soares, apontado como chefe do tráfico em Andorinhas, mais um tiroteio foi registrado no bairro

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 03/05/2021 às 17h01
Abril foi de disputa de
Bairro Andorinhas, em Vitória. Crédito: Reprodução | TV Gazeta

A Polícia Militar deu início nesta segunda-feira (03) a uma grande operação na região que envolve Andorinhas, São Benedito e Bairro da Penha, bairros em conflito por disputa de tráfico na Capital. A região foi cenário de reiterados ataques, com tiroteios, homens circulando armados e ameaças a moradores, nos últimos dias. De acordo com o comandante da PM, o coronel Douglas Caus, a entrada policial na área não contará com diálogo, mas com enfrentamento e uso da força.

Na manhã desta segunda-feira (3), cinco dias após a polícia prender Rhaony Hansen Cordeiro Soares, apontado como chefe do tráfico em Andorinhas, mais um tiroteio foi registrado no bairro. De acordo com a assessoria da Polícia Militar, indivíduos armados abriram fogo dentro de um parque municipal.

Diante da continuidade das ameaças, a PM então realizou o cerco da região, inclusive com uso de cães e dois helicópteros. "A região é alvo da disputa entre facções e elas ostentam armas em via pública e fazem ameaças. A PM então está fazendo essa ação nesses bairros, com helicópteros. Além disso, a Cimesp fez um desembarque no alto do Bairro da Penha e há força tática nas vias públicas de Itararé a São Benedito. Em Andorinhas, o Cioc tem cães com apoio de viaturas do 1º Batalhão", descreveu Caus.

Douglas Caus

Comandante da Polícia Militar no Espírito Santo

"Os bairros estão cercados, temos intuito de prender indivíduos com mandados em aberto e posse de armas e drogas. Principalmente queremos a presença da PM para coibir os indivíduos que estão circulando e ameaçando a população. Essa é a primeira de dezenas de outras ações nesses bairros onde os traficantes têm esse enfrentamento e ameaça"

De acordo com o comandante, este tipo de operação será uma constante e deverá ir além da ostensividade policial, com o uso efetivo do sistema de inteligência, que está buscando identificar os indivíduos, grandes e médios traficantes em disputa territorial, para efetuar a prisão de cada um deles.

Coronel Douglas Caus, comandante-geral da Polícia Militar do ES
Coronel Douglas Caus comenta operação da PM em áreas de disputa de tráfico. Crédito: Carlos Alberto Silva | Arquivo

A REPERCUSSÃO DA PRISÃO DE RHAONY

Com a prisão do traficante Rhaony, efetivada na última quarta-feira (28), a expectativa era de devolver a paz para a população local. "No ano passado fizemos duas prisões qualificadas no mesmo sentido, do 'Panda' e do filho de um grande traficante do Bairro da Penha. A inteligência havia levantado os locais onde dormiam e guardavam drogas. A do Rhaony se deu no mesmo sentido. A prisão em tese diminui o enfrentamento entre as quadrilhas e enfraquece o comando", afirmou.

ATUAÇÃO POLICIAL NA REGIÃO DE ANDORINHAS

Apenas no mês de abril, o comandante da PM contou que foram aprendidos em Andorinhas seis armas, 163 pinos de cocaína, 185 pedras de crack, 130 buchas de maconha e foram presas 17 pessoas.

A polícia, segundo a autoridade militar, tem feito operações de demonstração de força e prisão de lideranças combinadas. "Só na quinta-feira (29) fizemos a apreensão de quase 400kg de maconha, em ação que começou em Guarapari. Isso demonstra que a inteligência, junto com as forças táticas dos batalhões, têm dado respostas à sociedade", afirmou.

Por fim, Caus ressaltou que a PM está nas localidades em conflito para fazer enfrentamento com progressivo uso da força "Não é para conversar. Não tem conversa com esses indivíduos que ostentam armas e ameaçam a população. Isso é uma afronta ao Estado. Nós vamos revidar com uso progressivo da força, seja ela qual for e temos tropas especializadas para isso. A operação desta segunda (03) começa agora e pode estender caso haja alguma ocorrência de troca de tiro e apreensões. Isso será rotina, estamos fazendo dezenas delas e vamos intensificar", concluiu.

DIAS ANTERIORES

O bairro de Andorinhas, em Vitória, foi marcado pela disputa pelo tráfico de drogas neste mês de abril, com bandidos ostentando armas pesadas e fazendo ameaças pela internet, tiroteios e a população vivendo sob o terror. 

No início da tarde de sexta-feira (30), não foi diferente. Uma sequência de tiros foi ouvida na região e assustou moradores. Policiais militares realizavam patrulhamento no local quando ouviram os disparos de arma de fogo. Alunos e praticantes de atletismo que treinavam na pista da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), nesta manhã, tiveram que deitar para não serem atingidos pelos disparos

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.