ASSINE

Cúpula da Sesp foi avisada sobre invasão na Piedade

Alerta foi em grupo de mensagens onde estão chefes da Segurança

Publicado em 16/06/2018 às 08h01
Equipes da PM e da PC atuam no Morro da Piedade, diz a Sesp. Crédito: Fernando Madeira
Equipes da PM e da PC atuam no Morro da Piedade, diz a Sesp. Crédito: Fernando Madeira

Antes mesmo do Morro da Piedade, no Centro de Vitória, ser invadido por cerca de 20 criminosos que aterrorizaram moradores no último fim de semana, a informação de que bandidos planejavam instaurar o terror na comunidade já circulava em um grupo de WhatsApp que tem como integrantes parte da cúpula da Segurança Pública do Estado.

O grupo é formado por representantes da Polícia Civil, Polícia Militar e Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp), como o secretário de Segurança, coronel Nylton Rodrigues, e o chefe da Polícia Civil, Guilherme Daré.

A reportagem teve acesso ao diálogo. No dia 6 de junho, três dias antes do último ataque na Piedade, um integrante do grupo de WhatsApp relatou às outras autoridades que o trabalho de inteligência identificou que bandidos do Morro São Benedito, vizinho ao Bairro da Penha, em Vitória, ameaçavam atacar o Morro da Piedade nos dias seguintes.

Três dias depois, no dia 9 de junho, cerca de 20 homens armados invadiram a comunidade. Os tiroteios começaram às 20h30, enquanto os criminosos ameaçavam moradores. A PM foi até o local e chegou a trocar tiros com bandidos.

MORTE E MUDANÇA

Durante a madrugada, os tiros cessaram. No entanto, assim que a PM deixou o local, novos disparos foram feitos até a manhã do dia 10, quando Walace de Jesus Santana, 26, foi assassinado com mais de 15 tiros.

Os bandidos ainda expulsaram a família da vítima de casa e atearam fogo no imóvel. Segundo a polícia, Walace fazia parte do tráfico de drogas do local.

Após o ataque e ameaças para que moradores saíssem a região em sete dias, o morro ficou vazio. Várias famílias mudaram-se às pressas com medo.

Na última quinta-feira, a reportagem divulgou que informações obtidas de que a inteligência das polícias investigavam os traficantes do Bairro da Penha e do Morro de São Benedito como os responsáveis pelo terror implantado na Piedade por conta da disputa pelas bocas de fumo do local.

Procurada pela reportagem, a Secretaria de Segurança Pública(Sesp) informou, por nota, que como não teve acesso pela reportagem às “supostas declarações citadas”, nem em qual grupo essa informação circulou, não seria possível comentar o caso.

“A Sesp informa que as polícias Civil e Militar, por meio de seus setores de inteligência, monitoram diariamente todos os informes vinculados a crimes e tomam todas as medidas para enfrentar a criminalidade. Esses informes permanentes evitam várias situações de risco no Espírito Santo”.

A nota completou que todas as providências para a segurança do bairro da Piedade e do entorno foram e estão sendo adotadas pela equipe da Sesp. “A Sesp anunciou a implantação de uma base fixa da PM na Piedade, com o objetivo de estabelecer a presença ostensiva na região. Equipes da PM e da PC estão presentes no local para garantir a segurança dos moradores“. 

 

A Gazeta integra o

Saiba mais
morro da piedade

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.