ASSINE

Advogados de pastores vão entrar com pedido de HC até esta terça-feira

Milena Freira, que faz parte da junta de defesa de George Alves e Juliana Salles, informou que dois advogados vêm ao Espírito Santo para entrar com o pedido de liberdade no Fórum de Linhares

Publicado em 16/07/2018 às 12h27
Advogada disse que não sabe se George já recebeu a notícia de que a esposa está no ES. Crédito: Fernando Madeira
Advogada disse que não sabe se George já recebeu a notícia de que a esposa está no ES. Crédito: Fernando Madeira

Os advogados que fazem parte da junta de defesa dos pastores Georgeval Alves Gonçalves e Juliana Salles devem entrar com o pedido de habeas corpus do casal até esta terça-feira (17) no Fórum de Linhares. A informação é da advogada Milena Freire.

De acordo com Milena, os outros advogados, Helbert Gonçalves e Rodrigo Duarte, vêm ao Espírito Santo para protocolar o pedido de liberdade. Eles atuam em diferentes cidades de Minas Gerais. A sede da Igreja Batista Vida e Paz está localizada na cidade mineira de Governador Valadares. O casal de pastores liderava o templo de Linhares.

“Nós vamos entrar com o habeas corpus, mas acredito que não seja hoje (16), porque meus colegas da defesa não confirmaram ontem (domingo) se eles iriam hoje para Linhares. Então acredito que seja amanhã (17) que eles vão protocolar o pedido”, informou.

Sobre a transferência de Juliana para o Espírito Santo, após ficar 25 dias presa no Presídio Feminino de Teófilo Otoni (MG), a advogada não sabe por qual motivo a pastora não foi levada para a penitenciária de Colatina, no Noroeste do Estado, como estava previsto.

“Vaga prisional é algo que a gente não tem acesso. Provavelmente não tinha vaga em Colatina e ela foi transferida para Cariacica. Se ela vai ficar lá ou não depende da Sejus (Secretaria de Estado da Justiça)”, explicou.

Questionada se George já foi informado que Juliana foi transferida para o Espírito Santo, Milena disse que não sabe se o cliente já recebeu a notícia. Procurada pela reportagem para saber por qual motivo a pastora não foi levada para Colatina, como estava previsto, a Sejus apenas respondeu que a detenta está no Centro Prisional Feminino de Cariacica.

MORTES

Juliana Salles foi presa em 20 de junho, em Teófilo Otoni (MG), acusada pelo Ministério Público Estadual (MPES) de “conduta omissiva” nas mortes de seus filhos Kauã Salles Butkovsky, de 6 anos, e Joaquim Alves, de 3 anos. Eles morreram em um incêndio na casa onde moravam com a família, no Centro de Linhares, no dia 21 de abril.

Segundo a Polícia Civil, o incêndio foi provocado por George Alves, que teria queimado vivo os meninos depois de abusar sexualmente e agredir os dois. O pastor é pai de Joaquim e padrasto de Kauã. Um filho mais novo do casal, de 2 anos, estava com a mãe quando ela foi detida em Minas Gerais. A guarda do menino foi entregue ao avô materno, que é pai de Juliana e mora em Linhares.

A Gazeta integra o

Saiba mais
linhares linhares

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.