ASSINE

Estudantes do ES ainda sabem pouco de Português e Matemática

A Secretaria de Estado da Educação (Sedu) apresentou resultado da avaliação feita em 2019  com  alunos da 3ª série do ensino médio

Publicado em 18/02/2020 às 19h25
Atualizado em 18/02/2020 às 20h09
Alunos foram submetidos a exame para avaliar desempenho em Língua Portuguesa e Matemática. Crédito: Joel Silva/ Folhapress
Alunos foram submetidos a exame para avaliar desempenho em Língua Portuguesa e Matemática. Crédito: Joel Silva/ Folhapress

Secretaria de Estado da Educação (Sedu) aplica, todos os anos, a prova do Programa de Avaliação da Educação Básica do Espírito Santo (Paebes) a fim de identificar o desempenho dos alunos da rede em Língua Portuguesa e Matemática. No exame feito em 2019, e divulgado nesta terça-feira (18), os indicadores apontam melhorias na aprendizagem, porém os estudantes ainda dominam pouco os conhecimentos nas duas disciplinas. 

A prova foi aplicada em todas as turmas da 3ª série do ensino médio e, com as notas calculadas junto à taxa de aprovação, chegou-se ao Índice de Desenvolvimento da Educação Básica do Espírito Santo (Idebes)  de 4,42 no ano passado, numa trajetória ascendente, mas que não atingiu a meta de 4,44 estipulada pela Sedu para 2019. A partir de 2015, os resultados foram: 3,5; 3,87; 4,16; e 4,10. O ano de 2018 foi o único que, no período avaliado, registrou queda. 

Ainda que, em 2019, tenha sido possível recuperar o crescimento do indicador - recorte feito em 49 escolas prioritárias demonstra que mais de 60% dos alunos melhoraram o desempenho nas duas disciplinas - a rede concentra boa parte dos estudantes do ensino médio com conhecimento abaixo do básico em Matemática e no básico, em Português. O adequado seria pelo menos proficiente, numa escala de quatro níveis que vai até o avançado. 

Vitor de Angelo

Secretário estadual da Educação

"Infelizmente, e não falo só do Espírito Santo, o Brasil vai muito mal em Matemática. E quando dizemos que as escolas melhoraram, elas não saíram (a exceção de uma) da escala abaixo do básico. Ficaram no limiar de passar para o básico. Em Português, já estavam no básico e vemos um movimento de ir para o limiar da proficiência"

Também foi feita a avaliação dos estudantes do ensino fundamental, no 5º e no 9º anos,  mas o desempenho das turmas ainda está sendo apurado pela Sedu. 

AVALIAÇÃO

O Paebes se assemelha ao Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), exame nacional realizado a cada dois anos e que resulta no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). São usados os mesmos parâmetros para a prova e, em razão disso, Vitor de Angelo diz que o resultado da avaliação da Sedu historicamente tem sido um prognóstico da que é aplicada pelo governo federal. A expectativa do secretário é por um indicador positivo, ainda melhor do que o estadual, assim como foi em anos anteriores. 

A diferença entre as avaliações - e vantagem, na opinião de Vitor - é que, no Espírito Santo, é anual; no ensino médio, trimestral. Dessa maneira, é possível realizar as intervenções necessárias num espaço de tempo menor para obter melhorias na aprendizagem. 

"Sendo feito todos os anos, conseguimos um planejamento mais próximo da nossa realidade", ressalta o secretário. 

Foi assim que, afirma Vitor, a equipe da Sedu, ao assumir a gestão no início de 2019, conseguiu detectar a queda no desempenho no ano anterior e traçar estratégias para reverter o quadro.  O foco da atenção foram as escolas das Superintendências Regionais de Educação (SREs) de Carapina e de Cariacica, onde se concentram o maior número de matrículas e, ao mesmo tempo, os piores indicadores. 

Uma das estratégias foi reforçar o sistema de monitoramento das unidades de ensino que apresentavam maior déficit de aprendizagem e de reprovação para promover as intervenções necessárias como, por exemplo, programas de reforço em Português e Matemática. Foram relacionadas 49 escolas prioritárias - também de outras regionais - que  tinham tais dificuldades, associadas a um volume grande de matrículas, para ampliar a assistência.  Para o secretário, a melhoria no resultado é reflexo dessas ações. Para 2020, 93 escolas estarão na lista de prioridade.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.