ASSINE

129 pacientes estão em PAs da Grande Vitória à espera de vagas

Pessoas aguardam por dias em unidades de pronto-atendimento

Publicado em 16/06/2018 às 07h46
 O agente de viagens Mauro Francisco Maciel, de 47 anos, enfrenta uma luta para garantir que o pai, que está com um quadro de pneumonia e infecção urinária, seja   atendido no SUS. Crédito: Carlos Alberto Silva
O agente de viagens Mauro Francisco Maciel, de 47 anos, enfrenta uma luta para garantir que o pai, que está com um quadro de pneumonia e infecção urinária, seja atendido no SUS. Crédito: Carlos Alberto Silva

Na Grande Vitória, 129 pacientes estão internados em prontos-atendimentos (PAs) aguardando vagas para serem transferidos e ter um tratamento realizado em um hospital. Levantamento feito por A GAZETA com as administrações municipais mostra que 23 pessoas esperam em Vila Velha, 21 em Cariacica, 34 em Vitória e 51 na Serra.

“O objetivo do PA é ser atendido, medicado e encaminhado para casa se estiver estável. E se precisar de uma internação, ele precisa ser removido para um hospital”, explica Marcelo Machado, que é o coordenador do PA Adulto do Trevo, em Alto Lage, Cariacica.

Segundo Marcelo, uma das regras do Sistema Único de Saúde (SUS) é que o paciente fique no máximo 24 horas em um PA até ser transferido. Após atendido e constatado a necessidade da remoção, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) é responsável por encontrar uma vaga para interná-lo.

“É comum um paciente ficar 10 dias no PA, e já aconteceu de fazer o tratamento da doença toda na unidade. Mas o PA não é um hospital e não tem uma estrutura para dar todo o suporte em termos de especialidades e de exames complementares.”

Na Serra, a situação é a mesma. Segundo a subsecretária de Gestão em Saúde, Janine Pereira Jacinto, já teve espera de até mais de 15 dias. Segundo ela, as unidades de pronto-atendimento ficam o tempo inteiro em contato com a Central de Regulação da Sesa para conseguir a transferência.

“Já precisamos buscar algum tipo de medicamento que não faz parte do PA para atender a demanda, pois se o paciente está conosco é de nossa responsabilidade. A própria prefeitura compra o remédio. Não podemos fazer disso uma rotina, mas também não podemos deixar de atender.”

Segundo a Prefeitura de Vila Velha, a média de pacientes que permanecem por um período superior a 24 horas no PA da Glória é de 130 por mês. Já no PA de Cobilândia, a média mensal é de 47 pessoas.

Segundo a defensora pública Priscila Libório, existem dois tipos de pacientes: os que precisam de uma cirurgia ou vaga de UTI com urgência e aqueles que necessitam de alguma cirurgia mas não é caso de vida ou morte. “Esse segundo tipo é o que mais sofre. É recorrente. Eles ficam alguns dias no PA, são liberados com paliativos, mas como não têm o problema solucionado, acabam voltando dias depois.”

Ainda segundo ela, como o déficit de vagas é grande, em alguns casos só a ação judicial pode garantir acesso à saúde. Uma reportagem de A GAZETA mostrou que há atualmente 12 mil processos na Justiça do Estado de pacientes que buscam acesso a serviços de saúde. Desses, 7.213 são de tratamento médico-hospitalar, que incluem cirurgias.

A Gazeta integra o

Saiba mais
vitória vitória

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.