ASSINE

Palácio Anchieta recebe exposição de capixaba radicada na Alemanha

Há 23 anos fora do país, Rosilene Ludovico ocupa o espaço com 18 obras

Publicado em 26/07/2018 às 13h25
Rosilene Luduvico posa em frente ao Sol feito a partir de 41.952 mil sementes. Crédito: Fernando Madeira - GZ
Rosilene Luduvico posa em frente ao Sol feito a partir de 41.952 mil sementes. Crédito: Fernando Madeira - GZ

Fusão entre o passado e o presente – “Alvorada”, exposição que ocupa o Palácio Anchieta a partir do dia 31 de julho, traz as referências da infância em Domingos Martins da artista capixaba Rosilene Ludovico, radicada em Dusseldorf, na Alemanha, há 23 anos, misturadas ao seu novo olhar sobre o Espírito Santo. São 18 obras, distribuídas em sete salas, que carregam em suas formas, cores e texturas, as lembranças e recortes visuais da artista.

“Desde criança eu via beleza na natureza. Tudo o que eu sei hoje da arte eu aprendi dessas coisas simples, como descobrir as cores olhando as flores. Todas as minhas referências foram tiradas da natureza”, conta Rosilene.

O salão principal da galeria do Palácio Anchieta é ocupado por uma pintura mural. Crédito: Fernando Madeira - GZ
O salão principal da galeria do Palácio Anchieta é ocupado por uma pintura mural. Crédito: Fernando Madeira - GZ

Estão ali as memórias do amanhecer e do anoitecer nas montanhas capixabas, o curso d’água das nascentes, as sementes da árvore adenanthera paconina, conhecida como olho de pavão. Todos esses elementos se misturam ao Penedo de Vitória e às árvores do Parque Moscoso e da Praça Costa Pereira.

A exposição tem a curadoria de Ronaldo Barbosa, com quem a artista desenvolveu toda o conceito da mostra durante dois anos. Por cinco meses, Rosilene mudou-se para o Centro de Vitória e produziu suas peças a partir de sensações e experiências vividas nessa nova rotina.

A alvorada com o sol de sementes de olho de pavão. Crédito: Fernando Madeira - GZ
A alvorada com o sol de sementes de olho de pavão. Crédito: Fernando Madeira - GZ

“Pensei o que queria fazer no Espírito Santo porque esse espaço é algo muito importante para o Estado. Eu só não sabia que meu ateliê seria dentro do próprio Palácio. Essa foi minha grande surpresa” diz.

Formada em Artes Plásticas na Ufes, Rosilene partiu para a Alemanha uma semana depois de sua graduação. Lá frequentou a Academia de Arte de Dusseldorf e construiu sua carreira. Reconhecida internacionalmente, sua primeira exposição em sua terra natal, “Lugar Sem Nome”, só aconteceu em 2009, no Museu da Vale. A premiada artista também já teve suas obras expostas em museus e galerias em Israel, Japão, Estados Unidos e Inglaterra.

Uma pintura mural, a maior já feita pela artista, invade o grande salão da galeria. Representando águas de nascentes que escorrem pelas paredes, a obra foi pintada com pigmentos naturais a base de água.

Em uma outra sala, cinco quadros que são resultado da observação da natureza, a relação do vento com as árvores do Centro de Vitória. Locais como Parque Moscoso, as Praças Costa Pereira e João Clímaco.

AJUDA

A alvorada, que dá tema à mostra, é apresentada ao público através de uma sala toda pintada em um amarelo intenso, com um sol constituído por 41.952 mil sementes (que pode ser visto na foto que ilustra esta página). Rosilene recebeu a colaboração de oito alunos da Escola Viva Pastor Oliveira de Araújo, de Cobilândia, em Vila Velha, para realização dessa obra.

“Eles vieram ao Palácio durante sete sábados e fizemos juntos. Aproveitamos cada minuto porque sabíamos que era temporário. Eu tinha a ideia de fazer o sol, deixei o desenho pronto e precisávamos executar a obra. Não era eles fazendo e eu assistindo, fizemos juntos, compartilhando alegrias e tristezas. Nem eu sabia como ia resolver essa obra. Também dei um aquecimento de desenho, dicas para aprenderem a desenhar. Foi uma grande experiência, um trabalho apaixonante e enriquecedor”, explica.

A obra “Além do Horizonte”  traz o Penedo  em uma das paredes . Crédito: Felipe Amarelo/Divulgação
A obra “Além do Horizonte” traz o Penedo em uma das paredes . Crédito: Felipe Amarelo/Divulgação

A escola em Cobilândia ganhou um espaço para exposições com o nome da artista. Uma semente, tal qual as usadas na obra, que promete dar muitos frutos.

SERVIÇO

Exposição Alvorada

Por Rosilene Luduvico

Onde: Espaço Cultural Palácio Anchieta. Praça João Clímaco, 142, Centro, Vitória.

Abertura: 31 de julho, às 19h.

Visitação: 1º de agosto a 31 de dezembro de 2018.

Horário de visitação: terça a sexta-feira, das 9h às 17h; sábados, domingos e feriados, das 9h às 16h.

Agendamento de visitação: (27) 3636-1032.

Entrada gratuita.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.