ASSINE

Novo diretor de Itaipu quer reduzir custos e aumentar produtividade

"[Queremos] inovação tecnológica, produção de energia com segurança, menor custo operacional e menores tarifas. Estaremos de olho nisso e na austeridade de todos os gastos", declarou Silva e Luna

Publicado em 26/02/2019 às 19h29
Usina de Itaipu Binacional. Crédito: Caio Coronel/Itaipu
Usina de Itaipu Binacional. Crédito: Caio Coronel/Itaipu

O novo diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional, general Joaquim Silva e Luna, afirmou nesta terça-feira (26) que quer trabalhar por uma tarifa de luz mais baixa e diminuir o custo operacional da usina, a maior do país.

"[Queremos] inovação tecnológica, produção de energia com segurança, menor custo operacional e menores tarifas. Estaremos de olho nisso e na austeridade de todos os gastos", declarou Silva e Luna.

O novo diretor tomou posse nesta terça. É o primeiro militar em 30 anos a comandar a diretoria-geral brasileira de Itaipu.

Na cerimônia, que foi prestigiada pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL), Silva e Luna não foi específico sobre o que fará para reduzir a tarifa de luz e baixar os custos de operação.

Há a expectativa de que o governo renegocie a tarifa com o governo do Paraguai, que vende sua energia excedente para o Brasil.

O novo diretor-geral, assim como Bolsonaro, confirmou que o tema será alvo de negociações bilaterais -mas disse que a decisão será compartilhada.

O presidente paraguaio, Mario Abdo Benítez, fará uma visita ao Brasil em março para tratar do tema.

Outra promessa foi aumentar a produtividade da hidrelétrica: Luna e Silva afirmou que haverá mudanças, e declarou que o principal objetivo da Itaipu, que hoje investe milhões em patrocínios e convênios com municípios da região, é gerar energia elétrica. "O restante é derivativo. Entendo que esse deve ser o nosso foco", disse.

Em 2023, parte do tratado de Itaipu será revisto, incluindo as regras de repartição de royalties e da amortização do financiamento para a construção da usina.

O general também deve comandar as tratativas sobre o acordo na usina.

A Gazeta integra o

Saiba mais
brasil economia

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.