ASSINE

Bolsa argentina despenca quase 12%; dólar cai com intervenções

Na segunda (2), o índice teve alta de 6,45%, em um movimento majoritariamente doméstico, já que Wall Street esteve fechada devido ao dia do trabalho americano

Publicado em 03/09/2019 às 19h08
Bolsa argentina despenca quase 12%; dólar cai com intervenções do governo. Crédito: Pixabay
Bolsa argentina despenca quase 12%; dólar cai com intervenções do governo. Crédito: Pixabay

Com o retorno dos americanos de feriado, a Bolsa argentina voltou a cair nesta terça-feira (3). O índice Merval recuou 11,90% e foi para o pior patamar em dois anos.

Na segunda (2), o índice teve alta de 6,45%, em um movimento majoritariamente doméstico, já que Wall Street esteve fechada devido ao dia do trabalho americano.

O peso, por outro lado, segue em recuperação frente ao dólar, depois que o governo de Maurício Macri impôs duras restrições a movimentações com a moeda americana.

Depois de recuar 5,85% na segunda (2), a moeda americana caiu 1% em relação ao peso argentino e foi para 55,35 pesos por dólar, menor patamar em uma semana. Segundo operadores, a queda foi impulsionada pela venda de dólares a vista pelo banco central argentino.

No domingo (1º), o governo anunciou medidas restritivas ao acesso a dólares para pessoas físicas, com o teto de US$ 10 mil por mês, e determinou que o acesso a dólares, metais e transferências ao exterior sejam feitos apenas com autorização prévia do banco central. Na sexta (30), foi determinado que bancos remeterem resultados ao exterior.

O maior temor do governo era que as pessoas sacassem pesos e comprassem dólares para se proteger, numa estratégia maciça de busca de proteção. Isso poderia desencadear uma pressão adicional nas cotações e empurrar o país para a hiperinflação. Com a alta de preços rodando 54% ao ano, a palavra voltou aos debates econômicos.

Contudo, a ação de Macri de impor controles cambiais -abolidos por ele quando assumiu o poder em 2015, na linha de suas credenciais de defensor do mercado livre- poderia prejudicar o status de "mercado emergente" do país, segundo o MSCI.

A entidade que fornece índice de ações informou na segunda que a mudança para restringir a movimentação de capital pode causar "deterioração material da acessibilidade ao mercado de ações" e levar à "reclassificação do índice MSCI da Argentina para o status de 'standalone' -não incluído nem nos índices de mercados emergentes nem nos de mercados 'frontier'".

Qualquer reclassificação da Argentina nos índices, amplamente acompanhados pelo mercado, exigiria primeiro uma consulta pública do MSCI.

A Gazeta integra o

Saiba mais
argentina economia

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.