ASSINE
Jornalista de A Gazeta desde 2008 e colunista de Política desde 2015. Publica aqui, diariamente, informações e análises sobre os bastidores do poder no Espírito Santo

Lauriete: "A deputada sou eu"

Eleita pela coligação bolsonarista PR-PRB-PSL, Lauriete prepara-se para retornar à Câmara, mas desta vez em circunstâncias bem diversas

Publicado em 25/12/2018 às 21h34

Embora seja uma cantora gospel muito conhecida em seu meio, Lauriete não é uma voz tão conhecida no meio político. Em sua primeira passagem pela Câmara dos Deputados, de 2011 a 2015, foi uma voz pouquíssimo ouvida. Fez poucos pronunciamentos, deu poucas entrevistas. Exerceu um mandato bem discreto, à sombra do marido e patrono político, o senador Magno Malta, presidente estadual do Partido da República (PR) – o mesmo de Lauriete –, a tal ponto que os mandatos se confundiam, como se o dela fosse extensão do dele.

Agora, eleita pela coligação bolsonarista PR-PRB-PSL, Lauriete prepara-se para retornar à Câmara, mas desta vez em circunstâncias bem diversas: ao contrário do primeiro mandato, desta vez ela não poderá bater à porta do gabinete de Magno (derrotado nas urnas), do outro lado do Congresso. Não que isso seja um problema para ela. Nesta raríssima entrevista, Lauriete diz não ver dificuldade em buscar ajuda e orientação, mas mostra certo incômodo em ser associada sempre ao marido, como se houvesse uma relação de subordinação ou dependência política. E avisa: “Na verdade a deputada sou eu”.

Ela conta que voltará à Câmara para ajudar o governo Bolsonaro e também o de Renato Casagrande. Sem Magno para lhe fazer sombra, Lauriete terá agora o desafio de brilhar por conta própria no palco parlamentar em Brasília.

Eu fui eleita para deputada federal, certo? E vou na verdade cumprir aquilo para que o povo me elegeu

Quais deverão ser suas principais bandeiras agora no seu retorno à Câmara dos Deputados?

As nossas bandeiras, na verdade. Não são só minhas não. Nós temos uma bancada [capixaba] de dez deputados. Queremos o bem-estar do Espírito Santo e do Brasil. Então nós temos que fazer jus aos votos que recebemos e trabalhar em prol do povo brasileiro.

A senhora também pretende representar no Congresso as bandeiras históricas do seu marido, o senador Magno Malta, “em defesa da família e da vida”?

Todas as bandeiras que vêm beneficiar a família, o cidadão, enfim, todos, criança, mulher, serão nossas bandeiras. Não tem como deixar de lutar por isso. Tudo que vem beneficiar, tudo que vem contemplar o povo em si.

A senhora estará na base do governo Bolsonaro na Câmara?

Com certeza. E também com certeza na do governador daqui.

Então a senhora também pretende ajudar o próximo governo estadual em Brasília?

Sim! Eu vim para somar. Então a gente não pode dividir.

Voltando ao senador Magno Malta, que participação exatamente ele terá no seu mandato? Atuará como um conselheiro? Será um ponto de apoio? Ou vocês vão manter uma distância?

Eu fui eleita para deputada federal, certo? E vou na verdade cumprir aquilo para que o povo me elegeu. Então a participação de Magno acho que você tem que na verdade... pergunta a ele. Na verdade, a deputada sou eu. Então ele estará trabalhando no governo Bolsonaro? Não sei. A gente não sabe ainda, porque ainda não foi anunciado. E na hora que for anunciado a gente vai saber.

Mas eu quero dizer com relação ao seu mandato... A senhora pretende se aconselhar com ele, pedir a ele orientações ou algo nesse sentido?

Deixa o mandato começar [risos]. Você pode dizer o seguinte: não vejo dificuldade em buscar ajuda e orientação.

A filha

A deputada federal Lauriete tem uma filha muito parecida com ela. Chama-se Júlia e acaba de completar 15 anos. Foi ela quem acompanhou a mãe na cerimônia de diplomação dos deputados eleitos pelo Espírito Santo, no TRE, na última quarta-feira.

O marido

Magno Malta estava em Israel e assim não foi prestigiar a mulher.

Constatação

O atual mandato começou com os governos Casagrande e Hartung brigando em torno da saúde pública estadual. E é exatamente assim que termina.

Tem Engels no governo

Cristina Engel será a secretária estadual de Ciência e Tecnologia no governo Casagrande. Alguém aí notou? Engel!

“Agente infiltrada”

Após a vitória eleitoral de Casagrande, alguns eleitores adeptos do “combate ao comunismo no Brasil em 2018” têm “acusado” o governador eleito: ele é do PSB, logo de esquerda, logo seria comunista, marxista etc. Ter uma Engel em seu primeiro escalão pode incitar ainda mais as críticas dessa ala radical. Afinal, o também alemão Friederich Engels foi o grande amigo e colaborador de Karl Marx no desenvolvimento de suas teses revolucionárias: o marxismo, ou socialismo científico. Engels assina com Marx o “Manifesto Comunista”.

Para constar

O “Manifesto” é de 1848. E não há parentesco entre a futura secretária e o teórico e parceiro de Karl Marx.

A Gazeta integra o

Saiba mais
lauriete vitor vogas

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.