ASSINE
É mestre em História pela Ufes

Ilha da Trindade: isolado território do ES já foi uma prisão federal

Os conflitos resultaram na ideia de fazer da Ilha da Trindade um mecanismo de punição direcionado a adversários do presidente, isto é, transformar em presídio o local de difícil acesso e sem infraestrutura

Publicado em 05/11/2019 às 04h00
Atualizado em 05/11/2019 às 04h00
Data: 21/10/2019 - ES - Ilha da Trindade - A Gazeta acompanhou uma expedição de pesquisadores da Ufes até a Ilha da Trindade. Quem nos levou nessa viagem foi o navio Bahia da Marinha do Brasil . Crédito: Carlos Alberto Silva
Data: 21/10/2019 - ES - Ilha da Trindade - A Gazeta acompanhou uma expedição de pesquisadores da Ufes até a Ilha da Trindade. Quem nos levou nessa viagem foi o navio Bahia da Marinha do Brasil . Crédito: Carlos Alberto Silva

A isolada Ilha da Trindade, distante 1.160 km do continente e território do Espírito Santo, foi utilizada como presídio político durante o conturbado governo do presidente Artur Bernardes, que administrou o país entre 1922 e 1926.

Rejeitado por setores militares, Bernardes virou alvo preferencial após a vitória nas eleições de 1922, quando movimentos armados eclodiram em vários Estados, com destaque para revoltas tenentistas e à Coluna Prestes, grupo de caráter político-militar que atravessou o Brasil contestando o governo e em busca de transformações sociais. Assim, seu período na presidência, um dos mais turbulentos da Primeira República, ficaria marcado pela decretação de estado de sítio, censura à imprensa e repressão contra opositores.

Os conflitos resultaram na ideia de fazer da Ilha da Trindade, mais de mil quilômetros longe da costa capixaba, um mecanismo de punição direcionado a adversários do presidente, isto é, transformar em presídio o local de difícil acesso e sem nenhuma infraestrutura. Dessa forma, os primeiros presos políticos, civis e militares, chegaram em dezembro de 1924, ao lado de operários e um farmacêutico militar.

Nos dois anos seguintes, a desabitada área continuou recebendo prisioneiros contrários ao governo, entre eles dois jovens inicialmente encarcerados no Rio de Janeiro e que, por terem o plano de fuga descoberto, foram enviados à ilha: o então capitão Juarez Távora e o tenente Eduardo Gomes, militares que nas décadas seguintes atingiram o topo da carreira militar e se tornaram personagens relevantes na história do Brasil, inclusive disputando à Presidência da República.

Outros detidos na ilha com trajetórias significativas posteriormente foram Augusto Maynard Gomes, senador e interventor federal em Sergipe; Roberto Carneiro de Mendonça, Ministro do Trabalho e interventor no Ceará, Pará e Maranhão; Odílio Denys, general e Ministro da Guerra e Aristóteles de Souza Dantas, também general.

Seu uso como prisão perdurou até a conclusão do mandato de Artur Bernardes. Em janeiro de 1927, com o término do estado de sítio e o país já sob a liderança do presidente Washington Luís, todos os detentos remanescentes na inóspita região foram trazidos para o Rio de Janeiro, pondo fim à inusitada e rígida prática.

Atualmente, a ilha, patrimônio histórico e ambiental do município de Vitória, recebe expedições científicas e, desde 1957, a Marinha do Brasil ocupa o lugar, onde mantém Posto Oceanográfico para realizar atividades técnicas, além de executar ações de vigilância e acompanhamento do tráfego marítimo.

A Gazeta integra o

Saiba mais
espírito santo meio ambiente espírito santo trindade

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.